TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO 20/10/2021
TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO 20/10/2021

Vacina da Pfizer 'provavelmente' protege contra caso grave da Ômicron, diz CEO da BioNTech 

Ugur Sahin, cofundador da farmacêutica, afirma que o imunizante tem chances de prevenir hospitalizações e cuidado intensivo do coronavírus, mas não descarta necessidade da dose de reforço

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2021 | 15h46

A vacina da Pfizer e da BioNTech contra o coronavírus vai provavelmente oferecer uma forte proteção contra quaisquer casos graves de infecção pela variante Ômicron, afirmou Ugur Sahin, diretor executivo e cofundador da farmacêutica à Reuters. Ainda assim, ele não descarta a hipótese de que seja necessária uma versão potencializada da dose do imunizante.  

Os testes laboratoriais serão feitos ao longo das próximas duas semanas para analisar o sangue de pessoas imunizadas com as duas doses da vacina da Pfizer. O objetivo é descobrir se os anticorpos encontrados são capazes de inativar a Ômicron no organismo e se outras vacinas seriam necessárias. 

"Acreditamos ser provável que as pessoas terão uma proteção substancial contra os quadros graves causados pela Ômicron", disse Sahin, especificando que dificilmente aqueles imunizados com a Pfizer serão hospitalizados ou precisarão de cuidado intensivo.

O CEO da BioNTech também afirmou esperar que os testes laboratoriais mostrem uma perda de proteção vacinal contra casos leves e moderados do coronavírus graças à Ômicron, mas a extensão dessa perda ainda é difícil de prever. Ele não descarta a necessidade de uma dose de reforço para garantir uma camada extra de proteção contra a variante. 

"No meu ponto de vista, não há nenhum motivo para ficarmos particularmente preocupados. A única coisa que me preocupa no momento é o fato de que ainda há pessoas que não se vacinaram", disse. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.