Patrick T. Fallon/AFP
Patrick T. Fallon/AFP

Vacinas da Pfizer e da AstraZeneca serão testadas contra nova variante identificada na África do Sul

Por causa do alto número de mutações, nova cepa do coronavírus tem colocado autoridades, mercado e cientistas em alerta

Redação, O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2021 | 10h38
Atualizado 27 de novembro de 2021 | 00h22

FRANKFURT E CIDADE DO CABO - O laboratório alemão BioNTech, parceiro da Pfizer na produção de vacinas contra o coronavírus, informou nesta sexta-feira, 26, que espera ter, em até duas semanas, os primeiros resultados dos estudos que vão determinar se a nova variante do coronavírus, identificada na África do Sul, é capaz de escapar da proteção oferecida pelo imunizante. A farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca também disse que vai conduzir testes semelhantes. 

Com alto número de mutações, essa cepa tem colocado autoridades, mercado e cientistas em alerta. Entre quinta-feira, 25, e sexta-feira, 26, houve queda das bolsas de valores em todo o mundo e países como Reino Unido e Israel impuseram novas restrições a viajantes vindos da África do Sul e de nações vizinhas. 

Segundo a BioNTech, essa cepa, chamada de B.1.1.529, "difere claramente das variantes já conhecidas porque tem mutações adicionais na proteína spike". Ainda não há, porém, confirmação científica de que a variante esteja ligada a escape vacinal nem que seja mais transmissível. Se for considerada uma variante de preocupação pelo Organização Mundial da Saúde (OMS), ela deve ser chamada de Nu, a próxima letra grega - esse alfabeto é usado para nomear essas mutações.

A Pfizer e a BioNTech têm se preparado para adaptar seu imunizante em menos de seis semanas caso apareça uma variante resistente ao produto. A entrega das primeiras doses ajustadas, conforme as empresas, poderia ser feito em cerca de cem dias.  A Pfizer é um dos quatro imunizantes usados na campanha nacional de vacinação do Brasil, junto de Coronavac, AstraZeneca e Janssen.

A AstraZeneca informou nesta sexta que está "esperançosa" de que seu produto vai manter a eficácia contra a nova versão do vírus. Ainda não existem informações sobre o desempenho das outras marcas ante a nova cepa identificada. A farmacêutica disse que vai conduzir testes na Botswana, onde a variante foi originalmente identificada, e em Eswatini (Suazilândia), país que fica dentro do território sul-africano.

A empresa também vai testar a eficácia do seu coquetel de remédios AZD7442 contra a variante.  Segundo dados divulgados pela farmacêutica neste mês, esse medicamento é capaz de reduzir em 83% o risco de desenvolvimento de covid-19 sintomática ao longo de um período de seis meses. Para diminuir hospitalizações e mortes, a eficácia seria de 88%.

Segundo a Rede para Vigilância Genômica da África do Sul, a variante já foi identificada em amostras coletadas de 12 a 20 de novembro em Gauteng, Botswana e em Hong Kong, de um viajante sul-africano.  “Podemos fazer algumas previsões sobre o impacto das mutações nesta variante, mas ainda é incerto, e as vacinas continuam a ser a ferramenta crítica para nos proteger”, disse a instituição. 

Nesta sexta-feira, 26, o governo sul-africano fará uma sessão de urgência com a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a evolução do vírus. /AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.