REUTERS/Axel Schmidt
REUTERS/Axel Schmidt

Vacina de covid-19 'não será cara', diz desenvolvedor

Testes em animais foram 'encorajadores' e existe um alto grau de confiança da equipe de que os testes em humanos também mostrem resultados positivos. 

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2020 | 17h14

LONDRES - A tão desejada vacina de covid-19 será precificada para permitir o maior acesso possível a ela, se provar ser efetiva, e será feita em grande escala para manter os custos baixo e garantir seu fornecimento, conforme disse o professor da Universidade de Oxford que co-lidera o desenvolvimento da solução. 

Adrian Hill, diretor do Instituto Jenner, de Oxford, que se uniu à farmacêutica AstraZeneca para desenvolver a vacina, afirmou que garantir a ampla distribuição e o baixo custo da vacina são pontos centrais para o projeto desde o início. 

"Essa não será uma vacina cara", disse Hill em uma entrevista para Reuters. "Vai ser uma vacina de dose única e será feita para o fornecimento global. Sua produção ocorrerá em diversos locais diferentes. Esse sempre foi o nosso plano". 

A vacina experimental, conhecida como ChAdOx1 nCoV-19, é uma das que estão à frente na corrida global para fornecer proteção contra o novo coronavírus, causador da covid-19

Dados preliminares de um pequeno teste feito com a vacina experimental em seis macacos, descobriu que alguns dos animais que receberam apenas uma dose desenvolveram anticorpos contra o vírus dentro de 14 dias, e todos eles desenvolveram anticorpos protetores depois de 28 dias.

Quando os macacos foram expostos ao novo coronavírus, a vacina apareceu para evitar danos aos pulmões e impedir que o vírus faça cópias de si mesmo ali, embora tenha ocorrido replicações ativamente no nariz dos bichos.

Hill disse que os dados dos testes em animais foram "encorajadores" e reforçou o alto grau de confiança de sua equipe que acredita que os testes em humanos em andamento também mostrarão resultados positivos. 

Os primeiros sinais sobre se e quão bem a vacina funciona poderão ser percebidas em julho ou agosto. A equipe de Hill começou os testes em humanos em estágio inicial da vacina em abril, tornando-se um dos poucos a ter conquistado esse marco.

Hill disse que ao longo desta semana, mais de 1.000 pessoas receberam a dosagem - com cerca de metade recebendo a vacina experimental e a outra metade servindo como um controle de grupo. 

Ao ser questionado sobre o progresso dos testes em humanos, Hill disse que sua equipe "não vai dar um comentário superficial", mas acrescentou: "Você pode concluir que se o julgamento ainda está em execução - como certamente está - isso significaria que não houve maiores perturbações.

Quase 4,5 milhões de pessoas foram reportadas como infectadas pelo novo coronavírus globalmente e mais de 301 mil morreram morram. Especialistas em saúde e doenças dizem que uma vacina que protege pessoas do novo coronavírus poderia ajudar a acabar com a pandemia, mas encontrar uma que funciona e fabricar doses suficientes é um enorme desafio.

A vacina ChAdOx, um tipo conhecido como recombinante viral da vacina vetorial, usa uma versão enfraquecida do vírus do resfriado comum, misturado com proteínas do novo coronavírus para gerar um resposta do sistema imunológico do corpo. Outras vacinas em testes em humanos incluem as da Moderna Inc, Pfizer Inc e BioNTech SE e CanSino Biologics Inc. da China.

Hill disse à Reuters que o projeto ChAdOx1 tem pelo menos sete locais de fabricação em todo o mundo. Isso inclui o da Índia Soro Institute, bem como locais na Europa e China. Hill disse que até um milhão de doses da vacina já estão sendo fabricadas e estarão disponíveis até setembro, mesmo antes dos testes provarem sucesso. "A ambição é compartilhada para obter um preço baixo, amplamente disponível, o mais rápido possível", disse Hill.

"E uma das razões pelas quais escolhemos Astrazeneca, porque eles compartilharam essa ambição e eles estavam convencidos de que eles poderiam fornecer suprimentos em grande escala./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.