Vacina do rotavírus é indicada contra a gastrenterite infantil

Doença afeta praticamente todas as crianças durante os dois primeiros anos de vida

Efe,

23 de novembro de 2007 | 01h18

Cientistas da Universidade de Tampere, na Finlândia, descobriram que duas doses da vacina do rotavírus administradas com o resto das vacinas infantis oferecem às crianças um alto nível de proteção contra a gastrenterite rotaviral. Além disso, segundo os cientistas, a aplicação da vacina do rotavírus, agente infeccioso que causa com freqüência a gastrenterite infantil, reduz a necessidade de hospitalização e tratamento médico para as crianças que contraem a doença, cujos sintomas são vômitos, diarréia e, às vezes, febre. As conclusões, publicadas na última edição da revista médica britânica The Lancet, são fruto de um estudo que os pesquisadores realizaram com 3.994 crianças de 6 a 14 semanas de vida, na França, Itália, Espanha, Finlândia, Alemanha e a República Tcheca. Dois terços receberam duas doses orais da vacina do rotavírus RIX4414. O restante tomou um placebo. Passados os cinco primeiros meses, os especialistas observaram que 24 das 2.572 crianças que tinham recebido só uma dose da vacina sofreram algum tipo de gastrenterite rotaviral. O número subiu para 94 entre os 1.302 do grupo de controle. A eficiência da vacina após a primeira dose foi calculada em 87,1%. Segundo os dados, a vacina poderia evitar em grande medida uma doença que afeta praticamente todas as crianças durante os dois primeiros anos de vida. Depois disso elas ficam imunizadas de forma natural, pelo menos parcialmente. "Nosso estudo confirma a alta incidência da gastrenterite rotaviral durante os dois primeiros anos de vida e, portanto, a necessidade de proteção a longo prazo induzida pela vacina", afirmam os pesquisadores na revista.

Tudo o que sabemos sobre:
rotavírusgastrenteritevacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.