Vacina promete reduzir sintomas do Alzheimer

Uma vacina experimental vem se mostrando promissora contra o Mal de Alzheimer, reduzindo os depósitos de material no cérebro que são vistos como a causa da doença. Os depósitos caíram entre 15,5% e 38,5% em ratos, e sem provocar graves efeitos colaterais, segundo trabalho publicado na edição de hoje do periódico Proceedings of the National Academy of Sciences. Testes da vacina, baseada em DNA, estão em andamento em macacos, e se forem bem-sucedidos, os testes em seres humanos poderão começar, talvez dentro de três anos, disse o principal responsável pelo estudo, Yoh Matsumoto, do Instituto Metropolitano de Neurociências de Tóquio. Se não houver contratempos, esse tipo de tratamento poderá estar disponível em até sete anos. O cérebro das pessoas que sofrem de Alzheimer ficam abarrotados de placas formadas por uma proteína, chamada amilóide beta, ou Ab. Nos testes em ratos, os depósitos de Ab caem de forma geral e, em setores específicos do cérebro, chegam a 50%, de acordo com os pesquisadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.