Vacinação contra gripe suína atinge até agora 22% do público-alvo

Vacinação contra gripe suína atinge até agora 22% do público-alvo

Ministro da Saúde alerta para o risco que não tomar a vacina contra o H1N1 representa

estadao.com.br

09 Abril 2010 | 17h22

Balanço parcial do Ministério da Saúde sobre a vacinação contra a gripe H1N1 mostra que 12.971.885 pessoas foram imunizadas, desde 8 de março, quando começou a estratégia nacional, e até as 9h desta sexta-feira. O número representa 22,1% do público-alvo estimado para as três primeiras etapas, que é de 58.695.070 pessoas. A fonte dos dados é o sistema de informações do Programa Nacional de Imunizações, que é alimentado pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde.

 

Veja a lista dos postos de vacinação na cidade de São Paulo

 

Os números foram apresentados pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que alertou para a necessidade de reforçar a imunização em três grupos que foram afetados de maneira importante pela gripe pandêmica em 2009.

 

Até o momento, grávidas e doentes crônicos com menos de 60 anos têm cobertura de 41,1% e 32,8%, respectivamente. Em 2009, o Brasil registrou 2.051 mortes causadas pela gripe pandêmica, das quais 1.539 (75%) ocorreram em pessoas com doenças crônicas. Outra análise que chama atenção é que, nas gestantes, a mortalidade foi 50% maior que na população geral. Ao todo, morreram 189 grávidas no ano passado.

 

Com 66,1% de cobertura, até o momento, as crianças de 6 meses a menores de 2 anos têm um desempenho um pouco melhor. Mas também é importante reforçar a vacinação desse grupo, o que teve a maior taxa de incidência da doença no ano passado, com 154 casos por 100 mil habitantes.

 

"A vacina é absolutamente segura e eficaz. Os efeitos adversos, que são raros, se manifestam de forma leve, como dor no local da aplicação, dor de cabeça, febre e cansaço. Para as pessoas que fazem parte do grupo prioritário, o perigo não é tomar a vacina, mas correr o risco de pegar a gripe", disse Temporão.

 

O ministro lembrou que a segurança da vacina é evidenciada pelos 93,7% de cobertura entre os trabalhadores dos serviços de saúde - um dos públicos da primeira etapa, juntamente com os indígenas, que têm cobertura de 56,5%, até o momento.

 

Temporão também alertou para a circulação de boatos sobre a segurança da vacina, principalmente na internet. "Informações desse tipo são um disparate e revelam profunda ignorância. A população deve confiar no seu médico e nas autoridades de saúde, não em qualquer texto, escrito não se sabe por quem, que circula na rede mundial de computadores".

 

Neste sábado, 10 de abril, o Ministério da Saúde, em parceria com Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, promove o Dia Nacional de Vacinação contra a Gripe H1N1. Todos os 36 mil postos de vacinação do País deverão estar abertos, em horários a serem informados pelos Estados e municípios, que também vão definir a necessidade de postos volantes para aplicação das doses.

 

Devem ser vacinados doentes crônicos com menos de 60 anos, grávidas em qualquer período de gestação, crianças de seis meses a menores de dois anos e adultos de 20 a 29 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.