Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Governo SP
Governo SP

Vacinar jovens é importante para imunidade de rebanho e volta às aulas, apontam especialistas

Governo de São Paulo anunciou neste domingo a previsão para aplicação de doses em menores de 18 anos. Imunizante da Pfizer é, por enquanto, o único com autorização da Anvisa para esse público

Ítalo Lo Re e Larissa Burchard, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2021 | 19h50
Atualizado 11 de julho de 2021 | 21h32

A inclusão de adolescentes de 12 a 17 anos no calendário de vacinação de São Paulo, anunciada neste domingo, 11, pelo governo do Estado, é vista como uma iniciativa positiva por especialistas em saúde. De acordo com o novo cronograma de imunização apresentado pelo governador João Doria (PSDB), o grupo deve ser vacinado de 23 de agosto a 30 de setembro.

"Vacinar os adolescentes é extremamente importante para chegar ao benefício coletivo da imunidade de rebanho”, diz o epidemiologista e professor da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) Pedro Hallal. “Inclusive, para permitir a volta às aulas presenciais, que é uma grande prioridade do momento.”

Segundo o epidemiologista, os adolescentes aparentam ser um público que não vai recusar a possibilidade de se vacinar e que, portanto, deve aderir à campanha. “São adolescentes que já estão acostumados a tomar vacina, já são de uma geração que tomou muita vacina na infância e que, em geral, acredita na ciência”, complementa.

O diretor da Fiocruz-SP e professor de Medicina da Universidade de São Carlos (Ufscar) Rodrigo Stabeli relembra que, apesar de o Brasil vivenciar números mais baixos na pandemia em relação há algumas semanas, o patamar em que o País está ainda é superior ao pior dia de 2020.

Em meio a isso, quanto mais rápido a vacinação de São Paulo avança, mais a cobertura vacinal passa a ser significativa, fazendo com que a transmissibilidade e a possibilidade de surgirem novas variantes diminuam. “A antecipação do calendário de São Paulo é importante porque estamos falando do Estado cuja densidade populacional é a maior”, reforça.

Já o diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), o epidemiologista Renato Kfouri, destaca que, com a chegada de mais doses anunciada pelo governo do Estado, é natural avançar na vacinação de adolescentes. “Até porque nós já temos produtos licenciados no País, com registro para vacinar a população a partir de 12 anos de idade, a vacina da Pfizer”, diz.

Kfouri complementa ainda que a faixa etária de 12 a 17 anos, a qual o governo de São Paulo pretende começar a vacinar em 23 de agosto, já passou a ser incluída nos programas de vacinação de países que estão mais avançados na cobertura vacinal. Desse modo, é pertinente avançar na vacinação dessa população também no Brasil. “Lembrando que, entre os adolescentes, também tem população de risco”, diz o epidemiologista. 

Além disso, embora os adolescentes não sejam fortes transmissores da covid-19, eles contribuem para a transmissão da doença. “É necessário, à medida que os produtos em primeiro lugar se mostram seguros para essa população, que a gente expanda o uso das vacinas anticovid para os adolescentes.”

Vacinar adolescentes antes de completar o esquema vacinal de adultos é uma questão que recebe ponderação de especialistas. “Se há falta de doses, eu seguiria com os adultos antes. Se não está havendo falta de doses e está dando para já colocar os adolescentes, eu acho ótimo (incluir novos grupos)”, diz o epidemiologista Pedro Hallal. Segundo ele, quanto mais rápido puder incluir novas faixas etárias, melhor.

A leitura é similar à de Renato Kfouri. O epidemiologista explica que, enquanto o novo ritmo de vacinação e a previsão de chegadas de novas doses atendem esse novo cronograma no Estado de São Paulo, a inclusão de adolescentes é bem-vinda. “Sem inversão de prioridades”, afirma.

Pfizer é a única aprovada para vacinação de crianças e adolescentes

A vacina da Pfizer é o único imunizante, até o momento, aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para vacinação de crianças e adolescentes no Brasil. 

Outra possibilidade de vacina para essa faixa seria o imunizante do laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, a Coronavac. Um estudo divulgado em junho pela revista científica The Lancet apontou que o imunizante é seguro e eficaz para pessoas na faixa etária de 3 a 17 anos. Os testes foram feitos na China e a taxa de produção de anticorpos contra o vírus foi superior a 96% após 28 dias da vacinação com duas doses. 

Segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, estudos com estes dados sobre o uso da Coronavac em crianças e adolescentes já foram encaminhados à Anvisa. “Esperamos que seja incorporada essa aprovação do uso emergencial sem a necessidade de estudos adicionais feitos aqui no Brasil”, disse o diretor neste domingo.

Em nota, a Anvisa informou que "até o momento, somente a Pfizer solicitou indicação em bula para crianças com 12+". "Este pedido já foi autorizado. Não há solicitação do Instituto Butantan para alteração de bula da Coronavac e inclusão de crianças e adolescentes. A competência para solicitar a inclusão é do laboratório e deve ser fundamentada em estudos que sustentem a indicação. A Anvisa acompanha todos os estudos desenvolvidos sobre vacinas”, acrescentou o órgão federal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.