Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Vacina contra covid para crianças e adolescentes: saiba como estão os testes

Empresas farmacêuticas analisam eficácia de imunizantes contra o coronavírus em pessoas menores de 18 anos

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2021 | 10h00

Depois de criar vacinas contra a covid-19 em tempo recorde, laboratórios vêm trabalhando se preparam agora para dar mais um passo: testar os imunizantes em bebês, crianças e adolescentes. As empresas americanas Pfizer e a Moderna começaram novas etapas de seus experimentos neste mês e outras já estão no mesmo caminho.

No Brasil, as vacinas contra covid-19 serão dadas apenas em maiores de 18 anos neste primeiro momento, seguindo a ordem dos grupos prioritários. Como crianças e adolescentes não se mostraram os grupos mais vulneráveis

Mas oferecer uma vacina eficaz para crianças e adolescentes é fundamental para diminuir a disseminação do coronavírus. Em países da Europa, por exemplo, esse grupo representa 20% da população e, mesmo que não costume ter casos graves da doença, pode servir como "reservatório" para o vírus atingir pessoas de mais idade.

Confira o andamento das vacinas contra covid-19 para crianças e adolescentes:

Coronavac

A vacina contra a covid-19 produzida pela Sinovac Biotech, da China, parece ser segura e capaz de provocar reações imunológicas em crianças e adolescentes, de acordo com resultados preliminares de testes iniciais a intermediários, disse a empresa no dia 22 de março. A Coronavac é o imunizante que vem sendo usado no Brasil, numa parceria da farmacêutica chinesa com o Instituto Butantan. Os testes foram realizados em mais de 500 crianças e adolescentes entre as idades de 3 e 17 anos.

Pfizer/BioNTech

A empresa farmacêutica norte-americana Pfizer anunciou no dia 25 de março que começou os testes clínicos de sua vacina contra o coronavírus em crianças de 6 meses a 11 anos de idade, um passo crucial para obter permissão de agências reguladoras para começar a vacinar menores de idade e controlar a pandemia. Os primeiros participantes do ensaio clínico já receberam a dose inicial desta vacina, que foi desenvolvida pela Pfizer em conjunto com a BioNTech, da Alemanha. Ela já vinha fazendo testes desde outubro em adolescentes a partir de 12 anos.

Moderna

A empresa de biotecnologia Moderna anunciou que iniciou os ensaios clínicos em menores de 12 anos no dia 16 de março, o que começou para adolescentes entre 12 e 17 anos em dezembro passado. Os estudos vão determinar a segurança do imunizante e a capacidade de gerar respostas imunes nesta faixa etária.

Janssen

A vacina contra covid-19 da Janssen, da empresa Johnson & Johnson, será testada em bebês e recém-nascidos após testá-la em crianças mais velhas. Ela é a única eficaz até o momento em dose única. Em setembro, a farmacêutica iniciou testes na faixa etária de 12 a 17 anos na Espanha.

Oxford/AstraZeneca

A Universidade de Oxford, que desenvolveu a vacina em parceira com a AstraZeneca, anunciou em fevereiro que lançou um estudo para avaliar a segurança e a resposta imune do imunizante em crianças pela primeira vez. No final de março, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou que fará um pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para realização no Brasil de estudo com crianças.

Sputnik V

A expectativa é que os ensaios clínicos da vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia, comecem a partir de junho, primeiramente no grupo de 14 a 17 anos, depois no de 8 a 13 e, por fim, na faixa etária inferior a 8 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.