Mount Sinai Health System/AFP
Mount Sinai Health System/AFP

Vacinas contra covid podem ser exportadas a todos os países, diz CEO de fabricante indiana

Um dia depois de sugerir bloqueio de imunizantes para contemplar população da Índia primeiro, Adar Poonawalla fala em 'mal-entendido'; governo brasileiro tem acordo com instituto indiano para comprar doses da vacina da AstraZeneca

Reuters, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2021 | 09h20

As vacinas podem ser exportadas para todos os países, disse nesta terça-feira, 05, o presidente do Serum Institute, da Índia, que fabrica no país asiático o imunizante contra a covid-19 desenvolvido pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido. 

“Quero esclarecer duas questões, pois há confusão no domínio público: as exportações de vacinas são permitidas para todos os países e um comunicado conjunto esclarecendo quaisquer mal-entendidos com relação à Bharat Biotech será feito”, escreveu Adar Poonawalla em sua conta no Twitter.

A declaração ocorre um dia após sugestão de Poonwalla à Associated Press de que a Índia poderia barrar a exportação de imunizantes contra o coronavírus para contemplar primeiro a população do país. A fala levou o governo brasileiro a acionar o Itamaraty.  

A vacina desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech contra a covid-19 recebeu autorização para uso emergencial na Índia no sábado, 02. A companhia ofereceu a vacina ao Ministério da Saúde brasileiro e receberá também uma delegação de clínicas privadas de vacinação do Brasil interessada em comprar o imunizante para comercialização pelo setor privado.

Além disso, o Serum fabrica a vacina da AstraZeneca, que já está sendo aplicada no Reino Unido. O governo brasileiro tem acordo de compra de doses deste imunizante e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) obteve autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para importar 2 milhões de doses da vacina, produzida pelo instituto indiano.

O Serum, no entanto, anunciou que só pretende exportar o imunizante daqui a dois meses, o que levou o governo brasileiro, por meio do Ministério das Relações Exteriores, a negociar a liberação da compra das doses, disse a Fiocruz.

No comunicado conjunto do Serum com a Bharat, mencionado por Poonawalla em seu tuíte, as duas empresas anunciaram que pretendem fabricar e fornecer vacinas contra a covid-19 para a Índia e para o mundo.

“Vacinas são um bem de saúde pública global e elas têm o poder de salvar vidas e acelerar o retorno à normalidade econômica o mais brevemente”, afirma o comunicado.

“As nossas duas empresas estão totalmente envolvidas nessa atividade (produção, fornecimento e distribuição das vacinas) e consideramos nosso dever com a nação e com o mundo de garantir uma disponibilização regular vacinas. Estamos totalmente cientes da importância das vacinas para as pessoas e para os países, portanto comunicamos nossa promessa conjunta de fornecer acesso global a nossas vacinas contra covid-19.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.