Vão faltar vacinas contra a gripe suína na Ásia, diz OMS

O H1N1 é tratado com o antiviral oseltamivir, mas a vacinação é recomendada como método de prevenção

TAN EE LYN, REUTERS

25 Agosto 2009 | 12h04

Casa Branca pede aprovação rápida de injeção para gripeA nova vacina para prevenir contra o H1N1, o vírus da gripe suína, vai estar em falta na Ásia quando vier a nova onda da infecção durante o inverno do hemisfério norte neste ano, disse nesta terça-feira um porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS).  

 

linkVacinação de crianças pode ser melhor contra a gripe

link Gripe: vacinação começa em setembro, diz Austrália

link EUA começarão a testar vacina contra H1N1 em crianças

A Austrália e a China devem começar a produzir as vacinas em setembro, mas esses lotes seriam empregados em nível doméstico e provavelmente não beneficiariam o restante da região.

"Nenhum lugar está pronto. Haverá uma grande insuficiência na produção de vacinas em relação às necessidades e demanda," afirmou o porta-voz da OMS em Manila, Peter Cordingley.

Embora o vírus cause sintomas brandos em muitas pessoas, especialistas alertam contra a complacência porque ocorreram severas complicações --como também mortes-- em mulheres grávidas, crianças pequenas, pessoas obesas ou com diabete e, de forma preocupante, mesmo em jovens adultos saudáveis.

O H1N1 é tratado com o antiviral oseltamivir, mas a vacinação é recomendada como um método de prevenção da população em grande escala.

"Está para começar a produção de vacinas pelo menos na Austrália e China. Naturalmente isso não faz diferença para o restante da Ásia, porque me parece previsível que Austrália e China reservem as vacinas para sua população," disse Cordingley à Reuters, por telefone.

"Ninguém vai se sair muito bem. Levará um longo tempo antes que a produção chegue a ponto de atender até mesmo à demanda da Austrália."

No Japão, a gripe sazonal já contagia a população e as fabricas de medicamentos do país ainda não começaram a produzir a nova vacina, de prevenção contra a gripe suína.

Cordingley afirmou que uma preocupação especial é com a falta de vacinas em países em desenvolvimento.

"Eles não têm recursos, eles têm populações vivendo precariamente em situação de alto risco, sem serviços de saúde, sem acesso a médicos, muitas mulheres grávidas. Estamos muito preocupados com isso."

Alguns governos asiáticos têm contratos com grandes fabricantes de vacinas, mas ainda não se sabe quando elas chegarão.

O Japão quer estoque suficiente para vacinar 53 milhões de pessoas, quase a metade de sua população. Mas os fabricantes locais só devem produzir o suficiente para atender de 13 a 17 milhões de pessoas.

A Indonésia, com 226 milhões de habitantes, ainda não assinou contrato com nenhuma indústria estrangeira, disse o funcionário do Ministério da Saúde encarregado do controle de doenças, Tjandra Yoga Aditama. A estatal Bio Farma é uma das 23 empresas de todo o mundo habilitadas pela ONU a produzir a vacina, mas primeiro está se dedicando à dominar a produção de vacinas contra gripes sazonais.

(Reportagem adicional de Olivia Rondonuwu em Jacarta, Yoko Nishikawa e Yoko Kubota em Tokyo, Ben Blanchard em Pequim, Nopporn Wong-Anan em Cingapura)

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.