Variações genéticas influenciam o metabolismo individual

Descoberta pode ajudar no desenvolvimento de tratamentos específicos para cada paciente

Reuters

28 de novembro de 2008 | 17h49

Quatro variações genéticas parecem determinar a velocidade com que as pessoas queimam a comida, disseram pesquisadores na quinta-feira, 27, uma descoberta que poderá, um dia, oferecer aos médicos a possibilidade de tratar pacientes de maneira mais individual.  Veja também: Íntegra do estudo (em inglês)   Diferenças em metabolismo podem fazer com que algumas pessoas sejam mais suscetíveis a doenças como diabete e explicar como uma resposta com dieta, medicamentos e exercícios varia de pessoa para pessoa.  Saber logo como o corpo de alguém vai quebrar moléculas no sangue e construir músculos e células pode levar a um melhor tratamento, disse Karsten Suhre, pesquisadora do Centro Helmholtz em Munique.  Os pesquisadores pesquisaram os genes de 284 pessoas e encontraram quatro - FADS1, LIPC, SCAD and MCAD - ligados a determinadas taxas de metabolismo.  Isso poderia ser particularmente bem usado para tratar condições fortemente ligadas ao metabolismo como doenças da artéria coronária e obesidade, disse Suhre.  "Essas descobertas podem resultar em um passo a frente para o tratamento de saúde personalizado e nutrição baseada em uma combinação de genótipo e metabolismo", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdegenéticaobesidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.