Marko Djurica/Reuters
Marko Djurica/Reuters

Variante Delta: infectados têm dobro de risco de serem hospitalizados por covid-19

Estudo comparou variante inicialmente descoberta na Índia com a Alpha, do Reino Unido; pesquisadores apontam que impacto da Delta seria maior sem a vacinação

Redação, EFE e AFP

28 de agosto de 2021 | 15h56

Um estudo publicado na revista científica The Lancet neste sábado, 28, apontou que os infectados com a variante Delta do novo coronavírus têm o dobro de risco de serem hospitalizadas. A comparação foi feita com pessoas que contraíram a cepa Alpha do vírus, detectada no Reino Unido em novembro passado.

A pesquisa foi desenvolvida por pesquisadores britânicos da agência pública de saúde (Public Health England, PHE) e da Universidade de Cambridge.“Nossa análise mostra que, se não dispuséssemos da vacinação, uma epidemia ligada à variante Delta implicaria em uma carga mais pesada no sistema de saúde do que a que se teve com a variante Alpha”, destacou a cientista Anne Presanis, coautora do estudo.

Pesquisadores têm apontado que a Delta, identificada pela primeira vez na Índia, é de 40 a 60% mais transmissível do que a Alpha. No estudo britânico, os autores analisaram dados de mais de 43,3 mil casos da doença na Inglaterra, identificados entre 29 de março e 23 de maio, quando a variante Delta começava a se propagar na região. Do total, 20% das pessoas estavam contaminadas com a Delta, enquanto o restante correspondia à Alpha. 

A análise bruta dos dados não mostrou diferença relevante em proporção de internações entre ambas, com 2,3% dos contagiados pela Delta sendo hospitalizados ante 2,2% da Alpha. Porém, ao serem considerados outros fatores que influenciam na gravidade da doença (como idade, comorbidades, vacinação etc), os pesquisadores calcularam que o risco se multiplica por 2,26 na comparação entre as duas. 

“Este estudo confirma descobertas anteriores que apontavam que em pessoas com a Delta é significativamente mais provável que se requeira hospitalização”, destacou Gavin Dabrera, coautor do estudo.

Do total de infectados analisados na pesquisa, 74% não estavam vacinados contra a covid-19, 24% tinham tomado uma dose e apenas 1,8% estavam com o esquema vacinal completo. Diversos estudos demonstraram que os imunizantes têm uma alta eficácia na prevenção de casos graves, inclusive entre os infectados com a variante Delta./EFE E AFP

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.