Tiago Queiroz/ Estadão
Tiago Queiroz/ Estadão

Quais são os sintomas da covid-19? Como posso me proteger? Veja o que se sabe até agora

Apesar do desenvolvimento de vacinas, alta de casos e mortes pela doença preocupa; saiba como se prevenir

João Ker, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2020 | 12h16
Atualizado 04 de março de 2021 | 16h56

O novo coronavírus, responsável pela covid-19, foi descoberto em dezembro de 2019 na cidade de Wuhan, na China. Em 11 de março de 2020, quando ele já havia se espalhado por 114 países, resultando em 4.291 mortes, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a situação como "pandemia", uma nova doença de disseminação mundial.

Em abril, o Ministério da Saúde confirmou que o primeiro caso de infecção da covid-19 no Brasil ocorreu em janeiro. Já o primeiro óbito pela doença foi registrado em 17 de março. A vítima foi um homem de 62 anos, que tinha comorbidades como diabetes e hipertensão, e um histórico de viagens ao exterior.

De lá para cá, vacinas foram desenvolvidas e já estão sendo aplicadas em todo o mundo. Entretanto, o surgimento de novas cepas, a velocidade na transmissão e a lentidão das campanhas de imunização em muitos países colocam em dúvida a capacidade de vencermos a batalha contra o novo coronavírus nos próximos meses.

Milhares já morreram por causa da doença. Por essa razão, é importante que as pessoas continuem seguindo as regras sanitárias e se informem a respeito da doença e risco de infeccção. A seguir, veja o que se sabe até agora sobre a doença:

Quais os principais sintomas da covid-19?

Os sintomas mais comuns são febre acompanhada de manifestações respiratórias como tosse, espirros, aperto no peito, dificuldade para respirar, falta de ar ou ter tido contato com um caso suspeito ou confirmado do novo coronavírus. Mas dependendo da gravidade do quadro clínico, o paciente deve ser encaminhado imediatamente ao serviço de saúde, onde realizará o exame.

  • Tosse
  • Febre
  • Coriza
  • Dor de garganta
  • Dor de cabeça
  • Dificuldade para respirar
  • Perda de olfato (anosmia)
  • Alteração do paladar (ageusia)
  • Distúrbios gastrintestinais (náuseas/vômitos/diarreia)
  • Cansaço (astenia)
  • Diminuição do apetite (hiporexia)
  • Dispneia ( falta de ar)

Sintomas menos comuns:

  • Conjuntivite
  • Erupção cutânea na pele ou descoloração dos dedos das mãos ou dos pés
  • Dor ou pressão no peito
  • Perda de fala ou movimento

Vale lembrar que sentir um desses sintomas não significa necessariamente que a pessoa está com covid-19. Para ter certeza, é preciso realizar um exame e em caso de sintomas graves nas últimas 24 horas, a pessoa deve procurar imediatamente o serviço de saúde.

Como eu posso ser infectado pelo novo coronavírus?

Segundo a OMS, o novo coronavírus precisa de um hospedeiro — humano ou animal — para se multiplicar. Ou seja, a transmissão ocorre apenas de pessoa para pessoa, mas pode ser feita de forma direta, pela proximidade com um indivíduo infectado; ou indiretamente, pelo contato com uma superfície contaminada e a não higienização das mãos de forma correta. 

Em fevereiro deste ano, contudo, pesquisadores nos Estados Unidos indicaram que é muito improvável a transmissão de coronavírus por alimentos ou por suas embalagens. O comunicado conjunto foi feito pela FDA (Food and Drugs Administration) e pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). 

Como eu posso me proteger na pandemia?

De acordo com as autoridades sanitárias mundiais, a principal prevenção contra o novo coronavírus é respeitar o isolamento social e ficar em casa. Entretanto, há medidas que podem ser tomadas por quem precisa sair de casa para atividades essenciais. As principais são:

  • evitar tocar botões de elevador e maçanetas sem luvas ou com a mão mais utilizada;
  • manter uma distância mínima de um metro e meio entre outras pessoas, quando em filas ou transporte público; 
  • cobrir a boca com o antebraço quando for tossir;
  • ao utilizar automóveis, desligar o ar condicionado e manter as janelas abertas; 
  • higienizar as mãos corretamente com água e sabão ou álcool em gel 70%;
  • evitar tocar o rosto;
  • não utilizar elevadores com mais de três pessoas;
  • higienizar todas as embalagens de compras com álcool em gel 70%.

Com a circulação das novas variantes do novo coronavírus, países europeus, como a Alemanha, passaram a exigir o uso de máscaras profissionais pela população em locais públicos e com grande circulação de pessoas. Especialistas afirmam que o modelo N95, ou PFF2 (peça facial filtrante), é o mais eficaz para evitar a infecção por aerossóis, mas não deve ser usado em todas as ocasiões.  

Existe tratamento para a covid-19?

Embora não haja até agora nenhum tratamento para a cura da covid-19, alguns medicamentos podem ser administrados para amenizar os sintomas da doença, que nos cinco primeiros dias podem incluir perda do paladar e olfato, coriza, diarreia, dor abdominal, tosse, fadiga, dores musculares e cefaleia (dor de cabeça). 

Para os casos moderados, pode ser indicada a internação hospitalar, o tratamento de possíveis infecções bacterianas 'oportunistas' com antibióticos e o uso da imunoglobulina humana, de anticoagulação e de corticoterapia.

Já em casos graves o tratamento varia de acordo com os sintomas apresentados pelo paciente e pode incluir internação; ventilação mecânica, não invasiva ou entubação endotraqueal a depender do nível de desconforto respiratório; ou até a administração de hidrocortisona intravenosa quando houver choque séptico persistente. 

Que vacinas contra a covid-19 já estão sendo aplicadas no mundo?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.