REUTERS/Bernardo Montoya
REUTERS/Bernardo Montoya

Surto de sarampo: saiba mais sobre sintomas, contágio e tratamento

Para tentar conter o avanço do vírus, os órgãos de saúde se mobilizaram para reforçar a campanha de vacinação contra a doença, especialmente foca nos jovens. Entenda o assunto

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2019 | 16h15

SÃO PAULO - O Estado de São Paulo contabiliza 484 casos de sarampo em 2019, até a metade de julho, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde. Desse total, 363 foram registrados na capital, quantidade que vem crescendo a cada nova semana. Para tentar conter o avanço do vírus, os órgãos de saúde se mobilizaram para reforçar a campanha de vacinação contra a doença, especialmente foca nos jovens. O Estado separou perguntas comuns sobre o tema e mostra, a seguir, respostas apresentadas por especialistas sobre o sarampo. Leia: 

O que é o sarampo?

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa. 

Qual a diferença entre sarampo e catapora?

A Catapora é uma doença infecciosa, altamente contagiosa, mas geralmente benigna, causada pelo vírus Varicela-Zoster, que se manifesta com maior frequência em crianças e com incidência no fim do inverno e início da primavera. Em crianças, geralmente é benigna e autolimitada. Em adolescentes e adultos, em geral, o quadro clínico é mais exuberante.

Como acontece a transmissão do sarampo? A doença é contagiosa?

A transmissão do sarampo ocorre de forma direta, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. A transmissão ocorre de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento do exantema. O período de maior transmissibilidade ocorre dois dias antes e dois dias após o início do exantema. 

Como tratar o sarampo?

Segundo o Ministério da Saúde, não existe tratamento específico para o sarampo. É recomendável a administração da vitamina A em crianças acometidas pela doença, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais. O tratamento profilático com antibiótico é contraindicado.

Para os casos sem complicação manter a hidratação, o suporte nutricional e diminuir a hipertermia. Muitas crianças necessitam de quatro a oito semanas, para recuperar o estado nutricional que apresentavam antes do sarampo. As complicações como diarreia, pneumonia e otite média, devem ser tratadas de acordo com normas e procedimentos estabelecidos pela pasta.

Quem já tomou a vacina de sarampo pode tomar de novo?

Não é preciso, uma vez que não há prazo de validade para a imunização. Jon Carlos Delorenzi, especialista da Mackenzie, ressalta, porém, que, como há um surto da doença, é recomendado que todos tomem a vacina, mesmo já tendo se vacinado. “A pessoa não vai ficar doente, porque já foi vacinada - mas pode pegar o vírus e acabar o passando adiante. É o que chamamos de ‘efeito rebanho’”, explica. 

Quem já teve sarampo pode ter de novo?

Não. Quem já teve sarampo não precisa se vacinar novamente, uma vez que já possui os anticorpos para que a doença seja evitada.

O sarampo mata?

Sim, o agravamento da doença pode levar à morte de crianças e adultos. As complicações do sarampo podem deixar sequelas, tais como: diminuição da capacidade mental, cegueira, surdez e retardo do crescimento.  

O sarampo coça?

Sim, é possível que haja coceira na fase de exantema, quando surgem erupções na pele de quem foi contaminado.

A vacina contra o sarampo é eficaz?

Ela evita o sarampo em 98% dos casos, mas é fundamental fazer o esquema vacinal completo. 

Qual é o público-alvo da campanha contra o sarampo?

Pessoas de 15 a 29 anos. Mesmo quem já tomou duas doses da vacina deve se vacinar.

Pessoas que estão fora da faixa etária da campanha podem tomar a vacina?

Sim. Segundo Solange Maria Saboia e Silva, coordenadora de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde, a vacinação de rotina continua sendo realizada para crianças, aos 12 e aos 15 meses, e para pessoas até 59 anos.

Por que pessoas com mais de 60 anos não são vacinadas?

"As pessoas que nasceram antes de 1960, já entraram em contato com a doença e já têm anticorpos", explica Solange.

Quem é vacinado nas ações de bloqueio?

Em uma ação de bloqueio, os agentes vacinam pessoas que trabalham, estudam e moram com a pessoa infectada. Caso ela more em um prédio, todos são imunizados. A vacinação também é realizada em quarteirões próximos. Mesmo quem está com o esquema completo é vacinado.

Quanto tempo demora para uma ação de bloqueio ser desencadeada?

Após a notificação de um caso suspeito, até 72 horas.

Mulheres que participaram da campanha contra a rubéola em 2008 também foram imunizadas contra o sarampo?

"Sim, já era a tríplice viral. A campanha de 2008 e a campanha que fizemos com crianças de 1 a 4 anos no ano passado são fatores de proteção."

Como é feito o diagnóstico do sarampo?

Por meio de análises clínicas, epidemiológicas e laboratoriais.

Como as empresas e condomínios devem proceder para solicitar uma ação de vacinação?

"O cidadão pode ligar no 156 e solicitar a vacinação em empresas e condomínios com grande número de pessoas. Nos prédios menores, as pessoas devem procurar unidades de saúde", diz a coordenadora.

Quais são os sintomas do sarampo?

Febre alta, tosse, conjuntivite e manchas vermelhas no corpo

O sarampo pode causar sequelas?

É uma doença grave que pode causar complicações como otite, pneumonia, cegueira, surdez e pode levar à morte

Durante quanto tempo uma pessoa infectada pode transmitir o vírus?

Segundo Solange, entre quatro dias antes do aparecimento dos sintomas e sete dias após o desaparecimento deles. Uma pessoa com sarampo pode infectar entre 11 e 18 pessoas.

Como é o tratamento para o sarampo?

Não há um tratamento específico para a doença. Algumas pessoas precisam ficar internadas para receber hidratação.

Quem não pode tomar a vacina?

Grávidas, imunossuprimidos e crianças menores de seis meses.  Crianças de seis meses a 1 ano só são imunizadas quando há bloqueio vacinal.

Quais os riscos do sarampo na gravidez? Gestantes podem se vacinar?

O sarampo na gravidez, embora raro, pode gerar complicações como parto prematuro e abortos espontâneos. Gestantes não devem se vacinar.

 

O que é falha vacinal?

É uma condição em que a pessoa, mesmo imunizada, não desenvolve a imunidade para aquela doença.

E por que a falha a vacinal acontece?

O problema geralmente acontece em pessoas que foram vacinadas contra o sarampo antes do primeiro ano de vida ou que sofrem de doenças que deixam o sistema imunológico mais enfraquecido, como câncer e HIV/Aids.

Por que São Paulo está vivendo um surto de sarampo?

“Estamos tendo uma ressurgência da doença justamente por causa da falta da vacinação. As pessoas achavam que por não existirem mais casos, que o vírus não existia. O único jeito de preveni-la é com a vacina”, explica o professor de Saúde Pública e Imunologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Jan Carlo Delorenzi. 

Até quando vai a campanha de vacinação em SP?

A campanha de vacinação contra o sarampo em São Paulo vai até o dia 16 de agosto.

Qual o preço da vacina de sarampo?

A vacina contra o sarampo é gratuita.


 

Onde ficam os postos de vacinação contra sarampo em SP?

Veja onde se vacinar contra o sarampo na Grande São Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
sarampo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.