Venda de gel antisséptico dispara com gripe suína

Ministério da Saúde recomenda lavar as mãos frequentemente para evitar o contágio

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

24 Julho 2009 | 11h55

A venda de gel antisséptico para limpeza de mãos disparou no País. O interesse pelo produto ganhou força com a recomendação do Ministério da Saúde de que lavar as mãos frequentemente é uma das atitudes que ajudam a evitar o contágio pelo vírus da gripe suína. Fabricantes informam crescimento de até 300% na produção do antisséptico e alguns revendedores já encontram dificuldade em repor o estoque do produto.

 

Veja também:

link Temporão chama especialistas para discutir combate à gripe

link OMS diz que gripe suína já matou cerca de 800 pessoas

link Gripe suína pode causar convulsão em crianças, dizem EUA

link Exportação de vacina H1N1 pode gerar disputa internacional

link Instituto Butantan fará vacina contra gripe suína, diz ministro

  

"Estamos vivendo um boom no consumo de produtos de higiene para as mãos", diz a diretora da Doctor Clean, líder de mercado no segmento, Fabiana Tichauer. "A venda cresceu bastante e as grandes redes também aumentaram o volume de pedidos", completa. "Vivemos uma explosão no mercado. Não temos nem mais tempo para quantificar o número de pedidos", diz Marcelo Marino, diretor da Hi Clean, uma das grandes empresas de produtos de higienização.

 

O ramo de gel antisséptico começou a passos lentos no Brasil. Enquanto nos Estados Unidos e na Europa o produto se tornou mania entre os consumidores, os brasileiros tiveram certa resistência em substituir a água e o sabonete para a limpeza das mãos. O que parecia ser um negócio destinado a um mercado incipiente, entretanto, ganhou fôlego desde o início de abril, quando foi noticiado o surto de gripe suína no México.

 

A busca por alternativas de prevenção à doença levou muitos consumidores a procurar produtos de higienização no mercado. "Não é sempre que um indivíduo tem à disposição água e sabão. O gel é uma maneira rápida e eficiente de fazer a higiene", explicou Fabiana. "Além do mais, acaba virando costume. Junto com a escova de dente e o fio dental, muitos já levam o produto na bolsa", completou.

 

Introdutora do gel antisséptico no País em 1995, em um primeiro momento destinado apenas a médicos e dentistas, a Doctor Clean registrou no segundo trimestre deste ano um salto de 300% na fabricação do produto, em comparação aos três primeiros meses do ano. "A gripe deu impulso ao mercado", reconhece a diretora da marca. Para que o produto siga em ascensão no mercado, tornando-se mais que uma alternativa de prevenção à gripe, Fabiana planeja dobrar até agosto a produção do gel. Hoje, ela está próxima do limite de 15 mil unidades ao dia. "Estamos contratando funcionários temporários e incrementando a produção para atender a essa demanda", diz.

 

No mesmo ritmo de crescimento está a Hi Clean, que teve alta de 125% nas vendas desde os primeiros relatos da epidemia de gripe suína, em abril deste ano. O diretor da empresa diz que, no mesmo período, o total de revendedores da marca cresceu 12% e houve aumento de 90% no faturamento em comparação ao mesmo período do ano passado. "A demanda está crescendo muito e temos notícias de que falta produto nos estoques", explica Marino. "Estamos trabalhando em busca de insumos e mão de obra", emenda.

 

A escassez do produto no mercado é confirmada pelos revendedores do gel antisséptico. O superintendente comercial da rede de drogarias Onofre, Carlos Marques, afirma que algumas das farmácias do grupo ficam até dois dias sem receber o gel, dada a procura dos consumidores. "Estamos vendendo bastante. É difícil o produto parar nas prateleiras." Ele conta que antes da gripe suína a rede vendia por mês cerca de 300 unidades do gel. Agora, o número passa de 2 mil. A situação é semelhante na rede de farmácias Pague Menos, que informou ter vendido seis mil unidades do produto em junho.

 

O infectologista e professor da Unesp Carlos Magno explica que o gel é um produto eficaz para evitar o contágio pelo vírus. "O antisséptico, de fato, inativa o vírus. Ele pode ser uma alternativa à lavagem das mãos." Contudo, o professor esclarece que o uso do gel não imuniza as pessoas de contrair a doença. "É apenas uma precaução. Além do uso do produto, deve-se prestar atenção aos sintomas da gripe e evitar contato direto com indivíduos infectados", completa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.