Verão pode aumentar ataques de enxames de abelhas

Dois ataques colocam população em alerta; apicultor diz que melhor forma de se defender é correr

Carina Urbanin, da Agência Estado,

15 de janeiro de 2008 | 10h35

Dois ataques de enxames de abelhas ocorridos recentemente no País estão causando receio na população e, na avaliação de especialistas, é preciso ter cautela neste período de verão no qual essas incidências podem ser mais freqüentes. O primeiro registro ocorreu no dia 6 deste mês, em Porto Alegre (RS), com um casal que foi atacado na rua. E o segundo, ocorreu também neste mês, no dia 10, num asilo do município de Pereira Barreto (SP), com um saldo de dez feridos. Segundo o apicultor Marcelo Pinto Rodrigues, os ataques mais comuns ocorrem com as abelhas do tipo africanas, que são violentas, mas só atacam ao sentirem-se agredidas. Por isso, ele recomenda que a população tome cuidado com movimentos bruscos próximo às colméias, é preciso evitar que as abelhas sintam-se em situação de ameaça. Em caso de ataque, a melhor forma para se defender é correr, e se possível, jogar fumaça nas abelhas. A fumaça confunde os odores e acaba por acalmá-las. O especialista também destaca que a época do ano é um fator a ser levado em conta: "Fatores naturais como calor, flores, frutos e água em abundância propiciam a ocorrência da chamada 'enxameação', que é o processo natural de perpetuação da espécie." Neste processo, metade das abelhas que estão na colméia saem com a rainha em busca de um novo espaço. Nesta movimentação, podem atacar pessoas e animais que estiverem no caminho. Segundo Rodrigues, em época de inverno, o número de abelhas numa colméia fica em torno de 10 mil, no verão, podem chegar a 100 mil. Nessa época, as abelhas estão mais fortes e em maior número. Por isso, os cuidados devem ser redobrados. O apicultor afirma que é preciso ter cuidado ao tratar uma picada. E recomenda: "Nunca devemos tentar tirar o ferrão, puxando-o com os dedos em forma de pinça, pois o veneno é liberado em maior quantidade. O correto é raspar a pele com uma faca, ou mesmo com as unhas para tentar remover o ferrão."

Tudo o que sabemos sobre:
Abelha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.