Vida mais longa e saudável é tema do V Fórum da Longevidade em SP

Evento nesta 3ª terá renomados especialistas internacionais em questões ligadas à qualidade de vida

estadão.com.br

02 de agosto de 2010 | 20h40

SÃO PAULO - A cidade de São Paulo sediará nesta terça feira, 3, o V Fórum da Longevidade. Organizado pela Bradesco Seguros, o evento contará com a presença de renomados especialistas internacionais em questões relacionadas à longevidade com qualidade de vida.

O objetivo do evento este ano é debater os vários aspectos que, ao longo da vida, determinam uma longevidade ativa e saudável.

O envelhecimento é um tema não só de imensa importância para o indivíduo, mas também para toda a sociedade, incluindo a economia. O processo do envelhecimento no Brasil é dos mais rápidos do mundo. Em 2000, a proporção de pessoas com mais de 60 anos era de 9% da população; em 2008, chegou a 11%. Em 2025, essa proporção será de 22% e deve ultrapassar 29% em 2050.

Isso significa que nossa população estará mais envelhecida daqui a quatro décadas do que qualquer país do mundo, com exceção do Japão - mas incluindo todos os países da Europa, o "velho continente".

O médico Makoto Suzuki apresentará a palestra "Os longevos de Okinawa", a província considerada "capital mundial" da longevidade. O especialista e diretor do Okinawa Research Centre for Longevity Science é o principal pesquisador do Okinawa Centenarian Study há 30 anos - portanto, um pioneiro no estudo da longevidade no Japão.

O Dr. Emilio Moriguchi, professor do Instituto de Geriatria e Gerontologia (IGG) da PUC em Porto Alegre, apresentará a palestra "Longevidade no Brasil e no Japão". Seu pai, o médico e pesquisador japonês Yukio Moriguchi, também estará presente no fórum. Foi ele quem ocupou a primeira cátedra em Geriatria no Brasil, fundou o IGG da PUC-RS, em 1972, e hoje é professor emérito do instituto.

Já o gerontologista Alexandre Kalache conduzirá o debate "O Desafio de Envelhecer Ativo: na Sociedade e nas Empresas, com Saúde". Por 15 anos, até 2008, Kalache foi diretor do programa de Envelhecimento e Saúde da OMS. Desde então, atua como consultor de diversas instituições internacionais, como o World Economic Forum e a New York Academy of Medicine.

O debate comandado por ele terá a participação da geriatra e gerontóloga Andrea Prates (coordenadora executiva do Centro Internacional de Informações para o Envelhecimento Saudável); do preparador físico Lauter Nogueira (comentarista esportivo e coordenador técnico do Circuito de Corrida e Caminhada da Longevidade Bradesco Seguros); do psicanalista Contardo Calligari (doutor em Psicologia clínica e colunista da Folha de S.Paulo); e do Dr. Emilio Moriguchi.

A neurocientista americana Jill Taylor, por sua vez, contará em palestra como se recuperou totalmente de um derrame que a fez perder as funções do lado esquerdo do cérebro, há 13 anos. Ela é autora do livro "My Stroke of Insight" (publicado no Brasil como "A cientista que curou seu próprio cérebro", da Editora Ediouro).

Nele, Jill conta como percebeu que estava sofrendo um derrame, seu lento processo de recuperação e as reflexões que tirou dessa experiência de viver temporariamente apenas com o lado direito do cérebro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.