Videogames podem preparar o cérebro para atividades complexas

Os voluntários foram submetidos a uma ressonância do cérebro enquanto realizavam uma série de tarefas

estadão.com.br, estadão.com.br

24 Setembro 2010 | 15h39

Jogar videogames por horas a fio pode preparar seu filho para ser um cirurgião no futuro, diz um estudo realizado no Canadá. A reorganização da rede do córtex cerebral em jovens com ampla experiência em jogos eletrônicos parece oferecer uma vantagem não só nos jogos em si, mas também na execução de outras tarefas  que requerem habilidade de coordenação entre o olho e as mãos.

 

A descoberta aparece na edição de outubro do periódico Cortex.

 

Cientistas do Centro de Pesquisa da Visão da Universidade York, do Canadá, compararam um grupo de 13 jovens do sexo masculino, na faixa dos 20 anos, que haviam jogado videogame pelo menos quatro horas por semana nos três anos anteriores, a um grupo de 13 jovens sem esse tipo de experiência. 

 

Os voluntários foram submetidos a uma ressonância magnética do cérebro enquanto realizavam uma série de tarefas de coordenação entre visão e movimento.

 

"Ao usar a ressonância de alta definição, conseguimos medir quais áreas do cérebro são ativadas a cada momento durante o experimento", disse, por meio de nota, o pesquisador Lauren Sergio. "Testamos como a perícia adquirida durante o videogame pode se transferir para novas tarefas".

 

O estudo determinou que, durante as tarefas, os jogadores menos experientes dependiam mais do córtex parietal - a área do cérebro geralmente envolvida na coordenação entre os olhos e as mãos) enquanto que os jogadores peritos mostraram mais atividade no córtex pré-frontal.

Mais conteúdo sobre:
viodeogamecérebroeducação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.