Vigilância Sanitária interdita hospital em más condições em SP

Local não tinha aparelho de raio X nem material para curativos, além de instrumentos sem esterilização

Elvis Pereira, do estadao.com.br,

17 de abril de 2008 | 17h51

O Hospital Albert Sabin, em Campinas, no interior paulista, não pode mais receber pacientes. Na quarta-feira, 16, a Vigilância Sanitária interditou o estabelecimento em caráter cautelar por conta de más condições sanitárias, de atendimento e de infra-estrutura. Equipes das Vigilância avaliaram o hospital diariamente nas duas últimas semanas. A coordenadora da Vigilância em Saúde na cidade, Filomena de Gouveia Vilela, afirmou que a necessidade de interdição imediata ocorreu após ser constatada no pronto-socorro a falta de funcionários, de aparelhos de raio X e de material para curativos, além de instrumentos sem esterilização.  A situação do Albert Sabin, que é privado, vinha sendo acompanhada pela Vigilância desde 1997. "Já fizemos várias intervenções. É um hospital que tem um histórico de dificuldades para se adequar às condições de qualidade para atender os pacientes", explicou Filomena.  Atualmente, apenas o PS era mantido em funcionamento. Filomena disse que o hospital poderá reabrir conforme se adapte às exigências do órgão. Segundo ela, não havia pacientes internados no estabelecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.