Vírus causador da bronquiolite é tema de fórum promovido por Estadão e AstraZeneca
Conteúdo Patrocinado

Vírus causador da bronquiolite é tema de fórum promovido por Estadão e AstraZeneca

Evento no Unibes Cultural marcou o retorno aos debates presenciais

AstraZeneca, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

27 de maio de 2022 | 11h00

O principal agente causador de infecções respiratórias em bebês de até 2 anos de idade1 tem nome e sobrenome: é o vírus sincicial respiratório (VSR), responsável por bronquiolites e pneumonias, que podem ser graves em bebês prematuros, nos portadores de alguma cardiopatia congênita e também nos portadores de alguma cardiopatia pulmonar. O desconhecimento de muitos pais, mães e cuidadores sobre esse vírus motivou o Estadão Blue Studio, com o patrocínio da AstraZeneca, a promover o “Fórum Estadão Think: A bronquiolite e a pneumonia podem atacar até dentro de casa – evite que seu guerreiro tenha que lutar contra o VSR.”

O pediatra e presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Renato Kfouri, participou do evento e lembrou que os sintomas da bronquiolite podem ser inicialmente confundidos com os de outras infecções respiratórias. “Tosse, febre, coriza, dor de garganta são sintomas muito comuns a vários vírus de transmissão respiratória. O que chama muito a atenção no quadro clínico da infecção pelo VSR é a idade do bebê; geralmente é um vírus que atinge com mais frequência os bebês no primeiro e no segundo anos de vida.” Um sintoma que pode diferenciar a infecção pelo VSR da gripe, por exemplo, é a dificuldade respiratória, explicou o presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Marco Aurélio Sáfadi. “Uma das coisas que as crianças que estão em desconforto respiratório perdem é a capacidade de sucção, a capacidade de mamar. E esse é de fato um parâmetro muito importante para nós, pediatras; é uma das coisas que a gente leva em consideração ao avaliar a gravidade desses casos”, explicou. A médica infectologista  Rosana Richtmann, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, lembrou que estamos no auge da circulação do VSR, que é transmitido pelo ar. "Ambientes fechados favorecem a transmissão.”

Guerreiros que lutaram contra o VSR

Mães cujos filhos tiveram infecção pelo VSR contaram suas histórias, como a jornalista e blogueira Nana Pretto e a apresentadora Rafa Brites, que viu o filho mais velho, Rocco, ser internado com apenas 40 dias de vida. “Eu nunca tinha ouvido falar do VSR, mas agora eu falo para todas as mães sobre os perigos desse vírus”, afirmou. A jornalista e atriz  Sabrina Petraglia também participou do evento e falou sobre os desafios e os cuidados redobrados que são necessários com os bebês prematuros, mais suscetíveis às infecções respiratórias. O filho mais velho de Sabrina, Gael, nasceu de 34 semanas e teve que passar 19 dias internado. “É muito triste entrar em uma UTI neonatal, com várias crianças internadas. É muito difícil, e eu acho que a prevenção é o melhor caminho”, afirmou. O infectologista e gerente médico do Sabará Hospital Infantil, Francisco Ivanildo de Oliveira Junior, também participou do evento e falou sobre o alto número de internações pelo VSR nesta época do ano. “É importante que os pais não levem os bebês a locais onde haja aglomerações. Essa é uma medida que é extremamente efetiva”, afirmou.

Assista à íntegra do evento:

Tudo o que sabemos sobre:
pneumoniavírusAstraZeneca PLC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.