Felipe Dana/AP Photo
Felipe Dana/AP Photo

Vírus da febre amarela é encontrado em mais uma espécie de Aedes

Descoberta foi feita pelo Instituto Evandro Chagas; força-tarefa agora tenta identificar capacidade de transmissão da doença pelo mosquito

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2018 | 21h26

BRASÍLIA - O Instituto Evandro Chagas, no Pará, identificou a presença do vírus da febre amarela no Aedes albopictus, mosquito conhecido como tigre asiático e que vive em áreas rurais e silvestre. A descoberta, inédita no mundo e comunicada nesta quinta-feira, 15, pelo diretor do instituto, Pedro Vasconcelos, vai desencadear uma nova frente de estudos sobre a transmissão da doença no País.

Ministério da Saúde recomenda que vacinação contra a febre amarela seja estendida

Uma força-tarefa foi criada com o objetivo de capturar exemplares do mosquito onde há transmissão de febre amarela: em São Paulo, no Rio e na Bahia. A missão começa em 15 dias. Eles serão levados para laboratório e criados em colônias. O objetivo é verificar se o mosquito, além de ser infectado pelo vírus, pode também transmitir a doença por meio da picada para seres humanos. 

Febre afasta turista de áreas de mata no interior paulista

"É precipitado fazer qualquer julgamento", afirmou Vasconcelos. Ele admite, no entanto, que se o Tigre Asiático for de fato outro vetor da febre amarela, há um potencial risco de um novo ciclo de transmissão da doença, o intermediário, nas Américas. 

Hoje no País há a transmissão silvestre da febre amarela, promovida principalmente por mosquitos encontrados na mata: Haemagogus e Sabethes. Há também o risco de transmissão urbana, por meio da picada do Aedes aegypti contaminado. Esse tipo de transmissão não ocorre no Brasil desde 1942.

Vacina fracionada feita no Brasil protege contra febre amarela em 98% dos casos, diz estudo

O ciclo intermediário já ocorre na África. Ele permite a ligação do ciclo silvestre e urbano com o ciclo rural. A previsão é de que a força-tarefa saia a campo para captura dos mosquitos dentro de duas semanas. Os resultados obtidos com o estudo deverão ser concluídos em aproximadamente 50 dias. Os exemplares de tigres asiáticos contaminados com vírus de febre amarela foram capturados pela equipe do Evandro Chagas no primeiro semestre no passado, nas cidades mineiras de Itueta e Alvarenga.  As análises dos mosquitos foram concluídas neste mês. 

Essa espécie está presente em cerca de mil municípios brasileiros, sobretudo em áreas rurais. "Eles não vivem bem nas florestas", explicou Vasconcelos. O presidente do Instituto Evandro Chagas afirma não haver, no momento, elementos que indiquem uma eventual relação entre o tigre asiático e a epidemia de febre amarela ocorrida no ano passado em Minas e no Espírito Santo. 

A hipótese de que o Aedes albopictus pudesse também transmitir a febre amarela não é nova. Vários pesquisadores já haviam levantado essa suspeita, mas nenhum estudo havia comprovado a presença do vírus no mosquito. Isso, no entanto, não basta para garantir que o tigre asiático faz parte da cadeia de transmissão. “Vários mosquitos carregam o vírus, mas não têm capacidade de transmiti-los”, explicou Vasconcelos. O presidente do Instituto Evandro Chagas disse ser pouco provável de que o País já tenha a transmissão periurbana.

Cautela. O coordenador de controle de doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, o infectologista Marcos Boulos, afirmou ser necessário continuar os estudos sobre o Aedes albopictus e febre amarela. “Se for confirmado que o mosquito tem capacidade de transmitir o vírus, existe a possibilidade de transmissão periurbana”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.