Vitamina C pode reduzir crescimento de tumores cancerosos

Em ratos, altas doses da subtância ajudaram a reduzir o peso e o ritmo de crescimento dos tumores

Efe

04 de agosto de 2008 | 18h45

Um grupo de pesquisadores descobriu em experiências com ratos que injetar altas doses de vitamina C ajuda a reduzir o peso e o ritmo de crescimento dos tumores em vários tipos de câncer. Os pesquisadores implantaram três tipos de células de câncer agressivo em ratos de laboratório: tumores de ovário, pâncreas, e de cérebro, relatou um artigo da revista Proceedings of the National Academy of Sciences. Os tumores dos ratos que receberam altas doses de vitamina C, conhecida também como ácido ascórbico, cresceram quase a metade que os dos roedores que não receberam injeções. Segundo o estudo, a vitamina C desempenha um papel crítico na saúde e uma deficiência prolongada dela causa escorbuto e, eventualmente, a morte. Entre outras coisas, a vitamina C atua como um antioxidante que protege as células dos radicais livres. No entanto, uma dose excessiva de vitamina pode impedir a assimilação do ácido ascórbico. Por isso, os cientistas o injetaram nas veias ou nas cavidades abdominais dos roedores com tumores de cérebro, ovários e pâncreas. Desta maneira, puderam fornecer-lhes altas doses de ácido ascórbico de até quatro gramas por quilo de peso corporal por dia. Isto permitiu aos pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde testar a idéia que o ácido ascórbico, quando injetado em dose alta, pode ter um efeito pró-oxidação, em vez da atividade antioxidante. Segundo esta hipótese, os pró-oxidantes gerariam radicais livres e peróxido de hidrogênio, o que, segundo os cientistas, poderia matar as células do tumor. Assim, os pesquisadores descobriram que as altas concentrações de ácido ascórbico tinham um efeito anticancerígeno em 75% das linhas de células de câncer testadas, e que não afetavam as normais. Em seu estudo, os pesquisadores também mostraram que estas altas concentrações de ácido ascórbico poderiam ser usadas em seres humanos.

Tudo o que sabemos sobre:
câncersaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.