Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Volta à 'normalidade' turbina terceira onda da covid-19 em formação no Brasil, aponta Fiocruz

Onze unidades da Federação, inclusive São Paulo têm 75% de chances de piora na pandemia, e outras três, 95%; em sete Estados, tendência de queda foi interrompida

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2021 | 17h42

A retomada precoce das atividades em praticamente todo o Brasil é a principal causa da nova onda de covid-19 em formação. A avaliação é do novo Boletim InfoGripe divulgado nesta sexta-feira, 28, pela Fiocruz

Com a normalização da mobilidade diante de números ainda muito altos de casos e mortes, o SARS-CoV-2 voltou a circular com intensidade. Assim, tornou-se praticamente inevitável o recrudescimento da pandemia. Há mais de 75% de chances de que essa piora ocorra em onze unidades da federação (inclusive São Paulo) e de 95% em outras três, segundo o levantamento.

O novo Boletim InfoGripe alerta para tendência de crescimento dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Atualmente, 96% dos casos de SRAG são provocados pelo novo coronavírus. A expansão atinge a maioria dos Estados, capitais brasileiras e Distrito Federal. A análise se refere à semana epidemiológica 20 (de 16 a 22 de maio).

"O estudo sinaliza que o cenário atual está associado à retomada das atividades de maneira precoce", afirmou o pesquisador da Fiocruz Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe. "Tal situação manterá o número de hospitalizações e óbitos em patamares altos, como tendência de agravamento nas próximas semanas."

O boletim mostra também que, mesmo nos Estados nos quais houve estabilização, ela se deu em patamares muito elevados. São similares aos dos picos da epidemia em 2020.

Segundo Gomes, Amazonas, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul apresentam sinal forte (probabilidade superior a 95%) de crescimento na tendência de longo prazo. Alagoas, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins apresentam sinal moderado (probabilidade maior que 75%) sob o mesmo ponto de vista.

Nos demais Estados, de acordo com o levantamento, foi observada interrupção da tendência de queda. É o caso de Acre, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Rondônia. O Ceará apresenta indícios de estabilização.

O novo boletim alerta que desde a semana epidemiológica número 14, diversos Estados apresentam valores similares ou superiores aos observados ao longo de 2020.

Gomes destaca ainda que as estimativas reforçam a importância da cautela na flexibilização das medidas de distanciamento social. Para ele, as precauções devem ser mantidas. Esse deve ser o procedimento até a tendência de queda dos números se estabilizar e o número de novos casos ser muito baixo.

"A interrupção da queda em patamares elevados e a retomada do crescimento do número de casos podem ser atribuídos em parte à retomada de circulação da população e, consequentemente, à maior exposição ao vírus", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.