Bryan Denton/The New York Times
Bryan Denton/The New York Times

Wuhan além do coronavírus: indústria do aço, montadoras e talharim famoso

Com 11 milhões de habitantes, cidade exemplifica a ascensão do poder econômico global da China em toda sua complexidade

Carlos Tejada, The New York Times

24 de janeiro de 2020 | 09h00

WUHAN - Se fôssemos comparar Wuhan a uma cidade dos Estados Unidos, ela seria Pittsburgh - mas uma Pittsburgh muito maior e mais quente. Wuhan, município industrial do centro da China, se espalha pelos dois lados de um rio, o Yangtzé, tem uma e problemática e declinante indústria do aço e é também um grande polo universitário.

As comparações não vão muito mais longe. Wuhan tem uma população de 11 milhões de habitantes, o equivalente a 36 Pittsburghs. Só de universitários, são 1 milhão, segundo dados oficiais. No verão, a temperatura se aproxima dos 38ºC e a umidade é forte. O prato símbolo da cidade, e também um dos favoritos de toda a China, é um macarrão bem temperado chamado reganmian, algo como "talharim seco".

A metrópole de Wuhan também é hoje o epicentro de um surto viral que está preocupando o mundo. Nesta quinta-feira, 23, funcionários chineses limitaram drasticamente a entrada e saída da cidade em um esforço para conter o alastramento do coronavírus. A restrição atinge o local no auge dos feriados do ano-novo lunar, impedindo muitos residentes de se reunirem com parentes e amigos em outras cidades.  

Wuhan exemplifica a ascensão do poder econômico global da China em toda sua complexidade. Sua renda per capita aumentou mais de seis vezes entre 2002 e 2018, segundo números governamentais compilados pelo banco de dados CEIC Data. A região é sede de grandes fábricas da General Motors, Nissan, Honda e outras marcas globais e regionais de carros. Isso fez da cidade um forte polo de atração de investimentos estrangeiros.  

Com o crescimento, vieram problemas. Uma forte poluição dá origem a protestos. O tráfego está quase sempre congestionado. A indústria do aço, antes espinha dorsal da economia local, vem lutando com problemas de superdimensionamento e poluição - o que levou Pequim a unir a gigante estatal local Wuhan Steel com outra empresa.

Wuhan há muito é um importante centro comercial da China, graças a sua posição no Rio Yangtzé, e continua grande centro de transportes, levando alguns chineses a compará-la a Chicago. A cidade foi também palco de um evento decisivo na história da China: a rebelião militar de 1911, que levou ao colapso da dinastia Qing e início da República da China.  

A cidade ocupava um lugar especial no coração de Mao Tsé-tung, que deu um famoso mergulho no trecho do Yangtzé que corta a cidade, em 1966, para atestar sua vitalidade. Isso ocorreu no início da Revolução Cultural, que devastaria Wuhan e toda a China.

Com a modernização do país, líderes locais trataram de burilar a imagem da cidade e mostrá-la como parte da ascensão chinesa. Quando se procurou criar um slogan para ela, pensou-se em "Grande Rio, Grande Lago, Grande Wuhan" e "Capital do Leste, Agradável para se siver", entre outros. O slogan escolhido foi "Wuhan, diferente a cada dia". / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.