Divulgação
Divulgação

Zika pode estar associado a outra doença neurológica

Pesquisa feita no Recife indica elo com a encefalomielite aguda; vírus também está ligado a outras lesões, como microcefalia

Fabio de Castro, O Estado de S. Paulo

10 Abril 2016 | 17h48

SÃO PAULO - Além da microcefalia e da síndrome de Guillain-Barré, o vírus zika pode estar associado a mais uma doença neurológica: a encefalomielite aguda disseminada (ADEM, na sigla em inglês), uma síndrome autoimune que causa inflamação no sistema nervoso central.

Um estudo feito no Recife e que será divulgado na sexta-feira, dia 15, no encontro anual da Academia Americana de Neurologia, em Vancouver, no Canadá, encontrou evidências de associação entre o vírus e a ADEM em pelo menos dois casos.

Cientistas já desconfiavam de uma conexão entre a zika e a ADEM, conforme foi noticiado pelo Estado em fevereiro. Mas só agora serão apresentados os resultados científicos do estudo liderado por Maria Lucia Brito Ferreira, chefe do Serviço de Neurologia do Hospital da Restauração, no Recife.

“Embora seja um estudo pequeno, ele pode fornecer evidências de que, nesse caso em particular, o vírus causa no cérebro efeitos diferentes daqueles que haviam sido identificados nos estudos em curso. Mas muita pesquisa ainda terá de ser feita para explorar se há uma relação causal entre o zika e esses problemas cerebrais”, disse Maria Lúcia.

No estudo os cientistas acompanharam, entre dezembro de 2014 e junho de 2015, todos os casos de pessoas que chegaram ao Hospital da Restauração com sintomas de infecção por arbovírus – a família de vírus que inclui zika, dengue e chikungunya.

Todos os pacientes estudados chegaram ao hospital com febre e erupções na pele. Alguns também apresentavam coceiras, dores em músculos e articulações, além de olhos vermelhos. Alguns tiveram sintomas neurológicos logo em seguida e outros os apresentaram cerca de 15 dias depois.

Os autores registraram 151 casos com algum tipo de manifestação neurológica entre os pacientes, mas seis deles desenvolveram sintomas neurológicos típicos de doenças autoimunes – aquelas nas quais o sistema imunológico do paciente ataca e destrói células de tecidos saudáveis de seu próprio organismo.

Testes. Os seis pacientes foram submetidos a exames e testes sanguíneos. Quatro apresentavam a síndrome de Guillain-Barré que, assim como a microcefalia, tem sido associada à infecção por zika. Outros dois foram diagnosticados com ADEM. Os testes revelaram que os seis já haviam sido infectados por zika, mas nenhum deles por dengue ou chikungunya.

Nos pacientes com ADEM, segundo os especialistas, as células de defesa do organismo no cérebro e na medula espinhal atacam a bainha de mielina, uma cobertura de gordura que envolve as fibras nervosas e tem função semelhante à da capa de um fio condutor de eletricidade. A síndrome de Guillain-Barré também é autoimune e envolve danos à bainha de mielina.

Nos dois casos registrados, as tomografias do cérebro mostraram que os pacientes com ADEM tinham sinais de danos na matéria branca cerebral. Segundo os cientistas, os sintomas são semelhantes aos de uma esclerose múltipla, mas em geral a ADEM provoca um único ataque do qual a maior parte dos pacientes se recupera em cerca de seis meses.

Quando tiveram alta do hospital, cinco dos seis pacientes continuavam apresentando problemas motores. Um dos pacientes teve problemas de visão e outro apresentou problemas de memória e de capacidade de raciocínio.

“Isso não quer dizer que todas as pessoas infectadas com o zika terão esse tipo de problema cerebral. Daqueles que apresentaram problemas no sistema nervoso, a maior parte não tem sintomas cerebrais. No entanto, nosso estudo pode ajudar a esclarecer possíveis efeitos duradouros com os quais o vírus pode estar associado no cérebro”, disse Maria Lúcia.

“Neste momento, não parece que os casos de ADEM estejam ocorrendo com uma incidência tão grande como a dos casos da síndrome de Guillain-Barré, mas essas descobertas feitas no Brasil sugerem que os médicos devem ficar vigilantes quanto à possível ocorrência de ADEM e de outras doenças autoimunes relacionadas ao sistema nervoso central”, disse James Sejvar, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) de Atlanta, nos Estados Unidos.

“A questão que permanece é: por que o vírus zika parece ter essa forte associação com a síndrome de Guillain-Barré e, potencialmente, com outras doenças autoimunes e inflamatórias do sistema nervoso? Felizmente, as pesquisas em curso sobre o vírus zika e as doenças neurológicas mediadas pelo sistema imune deverão esclarecer essas importantes questões”, afirmou Sejvar.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.