Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Guarulhos registra 1º caso de febre amarela contraído na cidade

Mulher de 20 anos mora em uma área de invasão de mata, no Jardim Primavera; ela ficou internada e já teve alta

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

21 Fevereiro 2018 | 07h58

SÃO PAULO - Após resultado de exame feito pelo Instituto Adolfo Lutz, a prefeitura de Guarulhos confirmou nesta terça-feira, 20, o primeiro caso de febre amarela contraído no município, chamado de autóctone. O caso é de contaminação silvestre.

+ Valinhos tem primeira morte por febre amarela e amplia vacinação

Uma mulher de 20 anos, que não teve o nome divulgado, mora no Jardim Primavera, uma área de invasão de mata. Ela chegou a ficar internada, mas já está em casa. Segundo a Secretaria de Saúde municipal, a vítima não tinha se vacinado.

+ Veja perguntas e respostas sobre a febre amarela

A prefeitura informou que a mulher não saiu da cidade ou esteve em locais de risco antes de apresentar os primeiros sintomas, no dia 18 de janeiro. Três dias depois, ela foi atendida em um pronto-atendimento e transferida para o Instituto Emílio Ribas, em São Paulo. Ela recebeu alta no último dia 30.

O relatório divulgado também confirmou a morte de um homem de 80 anos, morador do Jardim Cumbica, que foi a sétima vítima de febre amarela na cidade. Ele teria sido contaminado em Nazaré Paulista, apresentou os primeiros sintomas em 19 de janeiro e morreu três dias depois no Hospital Carlos Chagas.

+ Chega a 5 o nº de casos autóctones de febre amarela na cidade de SP; 3 morreram

Campanha de vacinação. A Secretaria de Saúde do município fará uma operação de casa em casa no Jardim Primavera para garantir a imunização dos moradores e frequentadores do bairro.

A campanha de vacinação segue em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) sem necessidade de agendamento prévio a partir desta semana.

A prefeitura reforça para que pessoas que moram ou frequentam regiões próximas de mata procurem a unidade mais próxima de casa para se vacinar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.