Lam Yik Fei/The New York Times
Lam Yik Fei/The New York Times

China anuncia mais 71 mortos pelo coronavírus

Este é o menor número diário de falecimentos registrados em mais de duas semanas, e elevou o número de vítimas fatais para 2.663

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2020 | 23h02

(PEQUIM E SEUL) - As autoridades de saúde da China divulgaram nesta segunda-feira, 24 (manhã de terça-feira, 25, em Pequim), mais 71 mortes provocadas pelo novo coronavírus. Este é o menor número diário de falecimentos registrados em mais de duas semanas, e elevou o número de vítimas fatais para 2.663.

A Comissão Nacional de Saúde também relatou 508 novos casos confirmados no país. Destes, 499 deles foram diagnosticados na província de Hubei, epicentro da epidemia, detectada em dezembro passado.

Na véspera, o número de diagnósticos positivos de Covid-19 foi de 409 em todo o país.

Várias províncias da China não notificaram novos casos de infecção por vários dias consecutivos, e o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o número de diagnósticos positivos no país "diminuiu" desde 2 de fevereiro. No entanto, a própria OMS considerou "preocupante" o aumento acentuado na quantidade de mortes e de casos confirmados de contágio fora da China, principalmente na Itália, Coreia do Sul e Irã. 

Coreia do Sul

A Coreia do Sul se manteve como o território fora da China com o maior número de infectados ao informar nesta segunda (terça pelo horário de Seul) 60 novos casos confirmados de infecção. Com isto, a Coreia do Sul elevou seu total de diagnósticos positivos a 893.

O país asiático também relatou a morte de um paciente, e agora registra ao todo oito falecimentos em decorrência do Covid-19. 

Dois meses após o surgimento do novo coronavírus na China central, cinco países anunciaram seus primeiros casos de contaminação: Afeganistão, Bahrein, Kuwait, Iraque e Omã. / Com informações da AP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.