Axel Schmidt/Reuters
Axel Schmidt/Reuters

Compra de testes rápidos trava, e meta de exames do governo Bolsonaro fica mais distante

Aquisição de 12 milhões de exames de diagnóstico pode ser cancelada por questionamentos sobre possíveis irregularidades

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2020 | 11h25

BRASÍLIA - Anunciada no dia 20 de abril, a compra emergencial de 12 milhões de testes rápidos da covid-19 está travada no Ministério da Saúde. O processo não tem data para ser concluído e, segundo apurou o Estadão, pode até ser cancelado por questionamentos sobre possíveis irregularidades. Se confirmada a desistência, a promessa do governo de realizar 46,2 milhões de exames de diagnóstico no Brasil ficará ainda mais longe. Mesmo após quase dois meses sem conseguir avançar, a meta segue sendo celebrada por canais oficiais da gestão de Jair Bolsonaro nas redes sociais.

O processo de aquisição de 12 milhões de testes rápidos teve reviravoltas. No fim de maio, o laboratório Abbott passou a ser o favorito para levar o certame após conseguir o registro de seu produto na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Sem licitação, sob argumento de ser “emergencial”, a compra levanta desconfiança dentro do Ministério da Saúde.

Alguns gestores chegaram a pedir a sua anulação, ainda durante a gestão do oncologista Nelson Teich, que deixou a pasta no mês passado. Uma das razões seria a entrega de dados da compra para pessoas que acompanham a disputa. Outra seria a limitação dos testes rápidos, que têm baixa sensibilidade se aplicados nos primeiros dias de sintomas da doença.

O exame de diagnóstico da covid-19 em larga escala é um dos pilares da estratégia do governo para enfrentar a pandemia, mas o Brasil testa pouco, quando comparado a outros países. O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, tem dito a interlocutores que para vencer a “guerra” contra a doença o “mais importante” é melhorar a triagem de pacientes e medicá-los o quanto antes, inclusive com a cloroquina, medicamento sem eficácia comprovada contra o vírus.

O governo federal discute com Estados e municípios ampliar o uso de exames de imagem ou clínico-epidemiológicos para o diagnóstico da covid-19. Na leitura de gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), a medida evitaria ficar refém da disponibilidade de testes, mas infectologistas alertam que o ideal é o exame laboratorial.

A promessa do governo é distribuir 22 milhões de testes do tipo rápido, sendo 10 milhões doados de empresas e 12 milhões comprados. Cerca de 7,52 milhões já foram entregues a Estados e municípios. O exame rápido detecta anticorpos para a covid-19, indicando que a pessoa já foi infectada, e deve ser aplicado após o sétimo dia de sintomas. Caso contrário, a chance de falso negativo é alta, como o próprio ministério alerta.

Para atingir 46,2 milhões de exames, o ministério promete distribuir também 24,2 milhões de testes do tipo RT-PCR, que detecta a presença do vírus. Tido como de “padrão ouro” para diagnósticos, o equipamento é aplicado nos primeiros dias de sintomas de pacientes.

Após quase quatro meses desde a confirmação do primeiro infectado pela covid-19 no Brasil, o governo entregou cerca de 3,79 milhões de exames deste tipo, ou seja, pouco mais de 15% do prometido. Mesmo sem nem sequer ter se aproximado dos 46,2 milhões prometidos, um dos perfis oficiais da gestão Bolsonaro nas redes sociais, a “@SecomVC”, destacou “Mais 46,2 milhões de testes” entre as ações do governo contra a covid-19, em publicação feita no Twitter em 13 de junho.

O próprio Bolsonaro, quando cobrado sobre avanço da covid-19 nos Estados, tem dito que já fez a sua parte. Ele atribui a gestores locais a culpa pelo aumento de casos. “Já ajudamos com dinheiro”, disse o presidente na última segunda-feira, 15, a uma apoiadora que afirmava que Roraima “precisa de ajuda”.

Testagem baixa

O ministério lançou o programa “Diagnosticar para Cuidar”, em 6 de maio, com a promessa de realizar teste de diagnóstico em larga escala, com exame RT-PCR, e pesquisa epidemiológica, com uso do produto “rápido”. 

Mas, até 4 de junho, a rede pública havia feito apenas cerca de 555 mil exames para covid-19. A estimativa total de testes realizados no País é imprecisa, pois sistemas de unidades privadas e públicas de saúde não dialogam. Técnicos do ministério apontam que cerca de 1,7 milhão de exames já foram aplicados.

Conforme revelou o Estadão, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) já alertou o Palácio do Planalto sobre o baixo número de testes feitos no Brasil.

“A participação do Brasil torna-se mais significativa se for considerado que o País tem 10 a 15 vezes menos testes diagnósticos realizados por milhão de habitantes que os demais (países) e, portanto, é provável que os números brasileiros estejam subestimados e sejam de maior proporção do que os apresentados”, diz relatório de 12 de maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.