Cremerj
Cremerj

Cremerj decreta 'estado de calamidade pública técnico' na saúde do Rio

Segundo presidente do Conselho Regional de Medicina, situação nas redes federal, estadual e municipal é caótica

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2017 | 19h46

RIO - O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) decretou nesta terça-feira, 12, estado de calamidade pública técnico na saúde do Rio de Janeiro por causa do que chamou de "absoluta falência nos serviços de saúde federal, estadual e municipal".  Segundo o presidente do Cremerj, Nelson Nahon, a situação é caótica.

 

+++ CFM anuncia que vai à Justiça para melhorar atendimento no SUS

"A situação é de crise absoluta", afirmou. "Na rede federal, os contratos temporários não estão sendo renovados e várias unidades foram fechadas. No caso da rede estadual, a lei obriga o repasse de 12% do orçamento, mas apenas 4% são repassados; sem falar que os servidores estão com quatro meses de salários atrasados. Finalmente, na rede municipal, a prefeitura cortou o orçamento da saúde em R$ 543 milhões, e os funcionários estão em greve há cinco dias por falta de condições de trabalho."

+++ Governo vai exigir produtividade de médicos do serviço público

Segundo Nahon, relatórios sobre a situação foram enviados para os governos federal, estadual e municipal, bem como para o Ministério Público, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e representantes da sociedade civil.

+++ Hospital municipalizado no Rio sofre impactos de crise

Somente o governo do Estado pode decretar estado de calamidade pública. Em função disso, o Cremerj fala em "estado de calamidade pública técnico".

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.