Márcio Pinheiro/SESA
Márcio Pinheiro/SESA

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Depoimento: 'Comprava tranquilamente uma ou duas caixas de cloroquina, mas tudo mudou'

Remédio sumiu das prateleiras após a divulgação de estudos preliminares que sugerem efeito para tratar o coronavírus

Carlos Eduardo Entini, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2020 | 09h00

Depois das notícias de estudos preliminares, mas ainda sem confirmação, de que a hidroxicloroquina associada a um antibiótico foi testada com certo êxito para combater o coronavírus, o medicamento sumiu das prateleiras das farmácias, tanto as online como as físicas.

Antes dos testes, a substância usada para doenças reumáticas e autoimunes como a SAAF (síndrome do anticorpo antifosfolípide), que tenho, a hidroxicloroquina fazia parte daquele conjunto de medicamentos fundamentais para tratar os sintomas e que até então viviam tranquilamente nas prateleiras e estoques das farmácias, apesar de existir apenas três fabricantes no Brasil (dois genéricos e um de marca).

O sulfato de hidroxicloroquina, substância menos tóxica da cloroquina, está há mais de 40 anos em uso. Inicialmente foi aplicada para o tratamento da malária, mas, como é um imunomodulador, passou a ser usado em doenças reumáticas, explica o imunologista Ricardo de Oliveira. Para ele o uso indiscriminado no momento só vai afetar aqueles que precisam realmente da substância.

O medicamento está sendo testado em diversos países. A França foi o que no momento mais documentou o tratamento, mas ainda falta confirmação, ressalta Oliveira.

E se a hipótese do tratamento feito na França for confirmada, o uso do sulfato de hidroxicloroquina para a redução da carga viral do coronavírus não será de longa duração. Foram seis dias de administração da substância, uma dose de ataque com dose maior no primeiro dia e os outros com a normal, explica Oliveira.

Portanto, o que eles vão fazer com 10 caixas (são 30 comprimidos por caixa), questiona o imunologista, se cada caixa daria para tratar cinco pacientes? Na hora da entrevista não tive resposta, mas agora tenho. Doutor, eles vão vender a preço de ouro. Se fazem isso com álcool gel, por que não fariam com o remédio?

O sulfato de hidroxicloroquina não é um medicamento tão barato. Nas promoções, ele é vendido entre R$ 50 e R$ 90. Sim, ele é mais barato do que seria um antiviral que ainda não foi criado, como me alertou Oliveira. 

Como tenho de tomar infalivelmente um comprimido ao dia, sempre comprava tranquilamente uma ou duas caixas de sulfato de hidroxicloroquina quando meu estoque estava bem perto do fim, o que em média significa três comprimidos. Mas ontem tudo mudou. Pesquisei nos sites e todos estavam esgotados. Comecei a percorrer as farmácias da zona norte de São Paulo.

Nos sistemas de estoque de uma delas, indicava que havia três caixas disponíveis em outros endereços da rede. Porém, ao contrário da normalidade, era impossível reservá-la para buscá-las pessoalmente porque os funcionários estavam sobrecarregados e não atendiam o telefone. Fui em cada uma das indicadas e mais outras. Em todas o medicamento estava esgotado. O sistema que indicava existência de caixas não foi rápido o suficiente perante a busca frenética de um medicamento que só é vendido sob prescrição médica.

Depois da terceira farmácia, já nem entrava na fila, gritava de longe: “Tem hidroxicloroquina?”. Numa delas, uma cena que poderia ser de humor caso não estivéssemos vivendo essa situação. Um buscador do novo possível tesouro se perdia nas sílabas da substância no balcão. “Hidroxicloroquina, senhor. Não, não temos”, antecipou-se a atendente para fazer a fila andar.

Na sétima, e que seria a última farmácia da minha busca, a mesma negativa. Mas nessa desabafei com a moça atrás do balcão: "Sacanagem para quem precisa!". Foram as palavras mágicas que aquela pessoa de consciência esperava para colocar em prática sua atitude. "O senhor faz uso contínuo?", perguntou. "Sim", respondi. Com um tom mais baixo possível entre duas pessoas que estavam a quase dois metros de distância, ela confessou: "Guardei uma caixa sabendo que alguém que realmente precisa viria buscar". Essa pequena desobediência poderia lhe custar o emprego, mas foi minha salvação. Salvação que durará os próximos trinta dias.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.