Divulgação/Governo do Estado de SP
Divulgação/Governo do Estado de SP

Doria diz que Bolsonaro humilha ministro da Saúde ao desautorizá-lo

Presidente cancelou intenção de compra de 46 milhões de doses da Coronavac menos de 24 horas após Pazuello fazer o anúncio

Pedro Caramuru, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2020 | 11h11

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro e afirmou que o chefe do Executivo Federal humilhou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao desautorizar a intenção de compra, pelo governo federal, da vacina Coronavac contra o coronavírus, em desenvolvimento pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

"Todos aplaudiram o ministro Eduardo Pazuello porque ele agiu corretamente e foi, no dia seguinte em menos de 24h, desautorizado pelo presidente da República. Olha o tamanho da confusão criada pelo presidente Bolsonaro que humilhou seu ministro desautorizando-o publicamente", disse Doria em entrevista à rádio CBN. "É inacreditável que, diante de uma pandemia, um presidente coloque este vértice eleitoral e esta obsessão pela sua reeleição e em relação a mim. Não sou inimigo do presidente da República, sou governador de São Paulo", completou.

Nesta quarta-feira, 21, Doria foi à Brasília para acertar a aquisição pelo Ministério da Saúde da vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan, mas recebeu a negativa do governo federal. Segundo Bolsonaro, sua decisão de cancelar o protocolo de intenção de compra da vacina chinesa Coronavac foi motivada por uma questão de "credibilidade" e "confiança". A compra, segundo o presidente, depende de aprovação certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 "Gostaria de ter um presidente que fosse líder, que liderasse o País pela vida, pela existência, pela obediência à ciência e à saúde e não um negacionista", criticou hoje Doria. 

"Não fui eu que declarei que era uma gripezinha, um resfriadozinho, eu não ofereci cloroquina à população e nem à ema do Palácio da Alvorada. Não defendo dizendo que quem faz o isolamento ou quem usa máscara é covarde. Todas as afirmações são do presidente Jair Bolsonaro, um notório negacionista", disse Doria. "Eu não desautorizo os meus secretários. O presidente Bolsonaro desautoriza publicamente os seus ministros", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.