Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo

Doria diz que SP vai comprar 20 milhões de doses da vacina da Pfizer e 20 milhões da Sputnik

Gestão Bolsonaro não fechou acordo para adquirir lotes da farmacêutica americana; os dois novos produtos e a Coronavac serão usados na campanha de imunização no Estado

Renata Cafardo e Victor Vieira, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2021 | 23h40

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta terça-feira, 2, que o Estado pretende comprar 20 milhões de doses da vacina da Pfizer e 20 milhões de doses da russa Sputnik V. A gestão paulista pretende usar os dois imunizantes, junto da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, no programa de imunização contra a covid-19

Doria mencionou a autorização para adquirir as vacinas em reunião com prefeitos nesta terça. A vacina da Pfizer, cuja eficácia é superior a 90%, é a única que tem registro definitivo no Brasil. Já a Sputnik ainda busca autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação emergencial. . O governo paulista também negocia com a China a compra de mais 20 milhões de doses da Coronavac.

A Pfizer ofereceu a venda de 100 milhões de doses para o governo federal, mas a gestão Jair Bolsonaro não fechou acordo. O Ministério da Saúde chegou a dizer em janeiro que a proposta tinha exigências "leoninas" e também culpou a cláusula que previa a não responsabilização da farmacêutica americana por eventuais efeitos adversos causados pela vacina. Modelo semelhante de contrato foi assinado por diversos países, incluindo os Estados Unidos e europeus. 

Em relação à Sputnik, os governadores foram a Brasília para conversar com o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas - AL) e também visitar a fábrica da União Química, empresa que deve produzir o imunizante russo no Brasil. Esse laboratório, no entanto, ainda não tem as certificações necessárias para iniciar a fabricação local. A eficácia da Sputnik V é de 91,6%, segundo dados publicados na revista científica The Lancet.

 No último dia 20, o Ministério da Saúde autorizou a dispensa de licitação para a compra da Sputnik V e da indiana Covaxin, cujos dados de eficácia ainda não foram divulgados. Segundo a publicação no Diário Oficial da União, o custo para a compra da vacina russa será de R$ 693,6 milhões. A aplicação de doses do produto, porém, depende de aval da Anvisa. 

No Congresso e no governo Bolsonaro, há intenso lobby pela aquisição da Sputnik. Na linha de frente da negociação com o Executivo federal, a União Química tem o ex-deputado Rogério Rosso (PSD-DF) e o ex-diretor da Anvisa Fernando Mendes. Além disso, o dono da empresa, Fernando Marques, foi candidato no Distrito Federal ao Senado em 2018 pelo Solidariedade e também costuma financiar campanhas eleitorais.

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar que Estados e municípios adquiram vacinas caso o envio de doses pelo governo Jair Bolsonaro seja insuficiente, gestores locais passaram a se articular para fechar negócios por conta própria. Nesta terça, a Câmara dos Deputados também aprovou projeto de lei que autoriza governadores, prefeitos e o setor privado a comprarem imunizantes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.