Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Governo de SP deverá afrouxar critério de ocupação de UTI em plano de reabertura

Mudança possibilitaria avanço de município para fase verde com índice de leitos ocupados acima de 60%; medida permitiria deslocar leitos ociosos de covid para pacientes com outras doenças

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2020 | 20h58

SÃO PAULO - O governo de São Paulo deverá anunciar nesta semana mudanças nas regras do plano de flexibilização da quarentena nos municípios paulistas. Uma das principais alterações será o afrouxamento do índice mínimo de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para que uma cidade passe da fase 3 (amarela) para a 4 (verde) da reabertura.

Atualmente, para que uma cidade possa evoluir para a fase verde, na qual mais setores econômicos são autorizados a reabrir, ela deve ter sua taxa de ocupação das UTIs abaixo dos 60%.

Segundo fontes da gestão João Doria (PSDB), esse porcentual deverá ser alterado para 70% ou mais por duas principais razões: primeiro, porque nas cidades em que a pandemia vive momento de estabilidade, a ocupação de 70% não é tão ameaçadora, pois o número de casos tem tendência de queda. Segundo, porque, com tal flexibilização, seria possível deslocar alguns leitos de UTI exclusivos para covid que estão ociosos para atender pacientes com outras doenças. A possível mudança no plano foi revelada neste domingo, 26, em matéria do portal UOL e confirmada pelo Estadão.

Tal mudança era uma demanda de cidades como São Paulo, uma das que vivem queda no número de novas infecções. Como o Estadão mostrou em meados de julho, a gestão Bruno Covas (PSDB) pretende retomar procedimentos como cirurgias eletivas utilizando parte dos leitos abertos para covid que não estão sendo necessários por causa da queda de internações.

Na ocasião, o município tinha 1.047 leitos de UTI disponíveis para doentes com coronavírus, dos quais 478 estavam vazios, o que representava uma taxa de ocupação de 54%. Se cem desses leitos fossem dedicados a outras enfermidades, por exemplo, esse índice já subiria para 60% mesmo que o total de internados continuasse igual, impedindo, assim, a evolução da cidade de São Paulo no plano de flexibilização.

No boletim divulgado ontem pela Secretaria Municipal da Saúde, o cenário era parecido. Dos 1.046 leitos de UTI disponíveis nos hospitais municipais da cidade, 558 (ou 53%) estavam ocupados.

As mudanças nas regras de flexibilização deverão ser anunciadas nesta segunda, 27, e passariam a valer a partir do dia 31 de julho, segundo fontes.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual da Saúde para obter mais detalhes sobre as mudanças, mas a pasta informou que só deverá ter mais informações sobre o assunto nesta segunda.

O plano de reabertura da economia do Estado de São Paulo é dividido em cinco fases, desde a 1 (vermelha), mais restrita, até a 5 (azul), que prevê retomada da normalidade.

Na fase 3 (amarela), na qual a capital paulista se encontra no momento, podem funcionar bares, restaurantes e salões de beleza, além de estabelecimentos já permitidos na fase 2 (laranja), como concessionárias, escritórios, comércios de rua e shoppings centers.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.