Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Malafaia diz que não vai reduzir cultos; veja o que outras religiões estão fazendo

Para os católicos, orientação é que pessoas do grupos de risco fiquem em casa; espíritas devem fazer reuniões online

João Prata, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 09h00

O pastor Silas Malafaia, líder da igreja pentecostal Assembleia de Deus Vitória em Cristo, disse nesta quarta-feira, 18, que não reduziria cultos nem fecharia templos. A declaração ocorre dias após o bispo Edir Macedo, da Universal do Reino de Deus, manter a realização de cultos e minimizar os riscos da doença. Outras denominações religiosas têm adotado medidas mais restritivas para tentar conter o avanço do novo coronavírus.

Para os católicos, por exemplo, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) recomendou que as igrejas sigam os protocolos das autoridades, que até então têm pedido para evitar a aglomeração de pessoas. A reunião anual dos bispos que aconteceria na próxima semana foi cancelada. Diversas arquidioceses e dioceses pelo Brasil já suspenderam as missas públicas. 

O arcebispo de São Paulo, d. Odilo Pedro Scherer, porém, destacou que "não é tempo de fechar as igrejas e cancelar as celebrações". A recomendação é para que as pessoas que fazem parte de grupos de risco fiquem em casa. "O fato de manter as igrejas abertas não obriga ninguém a entrar nelas."

Foi pedido aos padres que aumentem a distância no confessionário e que "haja o cuidado de colocar uma folha dupla de celofane na janelinha do confessionário, para evitar eventual contágio". Sobre grandes eventos, a orientação é para o cancelamento. "Cursos, encontros e assembleias, é melhor suspender e adiar tudo isso... Recomendo que se cancelem as procissões do Domingo de Ramos e de Sexta-Feira Santa", encerrou o arcebispo.

Já a Congregação Israelita Paulista orientou que pessoas acima de 70 anos ou com saúde debilitada não frequentem a sinagoga e evitem aglomerações. As rezas diárias da manhã e da tarde estão suspensas até o fim de março. Da mesma forma, a Mesquita Brasil, no centro de São Paulo, informou que todas as atividades, inclusive as orações e as palestras, estarão suspensas.

Centros espíritas também devem ser fechados, segundo orientação da Federação Espírita do Brasil. Por meio de comunicado, o órgão orientou que os trabalhadores utilizem "de recursos tecnológicos e virtuais, dentre outras inúmeras possibilidades de ação, cientes das potências do pensamento e da vontade para o alcance dos propósitos comuns".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.