Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Parque do Tietê fecha e vacinação contra febre amarela é ampliada na Grande SP

É o 16º parque interditado após morte de macacos; Estado anunciou imunização para mais 2 bairros e para 15 cidades no entorno

Júlia Marques e Paula Felix, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2017 | 12h44
Atualizado 10 Novembro 2017 | 23h39

SÃO PAULO - O governo do Estado de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, 10, o fechamento do Parque Ecológico do Tietê, na zona leste paulistana, após a confirmação de mais um macaco morto infectado com febre amarela. Esse é o 16.º parque fechado em São Paulo após mortes de macacos - o primeiro fora da zona norte. Também nesta sexta, o governo estadual anunciou que a vacinação contra a doença será estendida para dois barros na zona leste e mais 15 municípios da Região Metropolitana de São Paulo.

+++ Estado encontra mais quatro macacos mortos no Horto Florestal

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, o macaco veio de Cajamar, na Grande São Paulo, com sinais de que tinha sido eletrocutado e foi atendido no Centro de Recuperação de Animais Silvestres que fica dentro do Parque Ecológico do Tietê. De acordo com o Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), o animal foi levado pela Polícia Ambiental para o centro no dia 20 de outubro e morreu no dia 26. O macaco ficou isolado em uma gaiola e, após o óbito, a infecção pelo vírus foi confirmada. 

+++ Prefeitura de SP quer vacinar 2,5 milhões contra a febre amarela

Não se sabe se o macaco foi contaminado em Cajamar ou no Parque Ecológico do Tietê. Mas, dado o risco de que ele tenha sido infectado no parque ou contaminado mosquitos na região, o equipamento ficará fechado temporariamente, a partir desta sábado, 11, como forma de prevenção, segundo anúncio feito pelo secretário estadual da Saúde, David Uip. 

+++ Mais dois macacos têm teste positivo para febre amarela em SP

Segundo Uip, os moradores dos bairros do Jardim Piratininga e do Jardim São Francisco, próximos do parque, serão vacinados. Os funcionários do local, que recebe 4 mil pessoas por dia e 40 mil nos fins de semana, também serão imunizados. Até então, a vacinação contra a doença na capital ocorria só em regiões perto de parques na zona norte do Município.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que a vacinação nos dois bairros será feita casa a casa. “As equipes de saúde da Prefeitura vão diretamente nas residências dos bairros citados”, informou a Secretaria Municipal da Saúde. Segundo a pasta, não é necessário que a população desses bairros procure os postos de saúde. Oito mil pessoas serão vacinadas nesses dois locais, informou Uip. “Provavelmente o mosquito não vai atravessar a rodovia”, disse o secretário estadual.

 

Região metropolitana

O governo estadual estendeu, ainda, a vacinação para bairros de mais 15 municípios das regiões do Alto Tietê e Osasco. Outros quatro municípios - Guarulhos, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba e Cotia - que já tinham vacinação - continuarão com as ações. O governo pretende aplicar 2.229.072 doses do imunizante na Região Metropolitana entre novembro e dezembro. Para isso, conta com o envio de 2,8 milhões de novas doses da vacinas “nos próximos dias”, segundo Uip.

Segundo o secretário, uma reunião que será realizada com o Ministério da Saúde vai definir se a população do Estado de São Paulo vai receber doses fracionadas da vacina a partir do próximo ano. A secretaria já trabalha com a possibilidade de ampliar a vacinação para todo o Estado a partir do início do ano que vem.

“É uma discussão com o Ministério da Saúde para vacinar toda a população. Estudos científicos mostram que a vacina protege por nove anos”, explicou o secretário. 

Neste ano, foram registrados no Estado de São Paulo 23 casos silvestres de febre amarela, com 10 óbitos. Os casos de contaminação de primatas se concentram na região de Campinas, com 283 registros de macacos infectados - no total do Estado, são 298 contaminados.

 

Parques

Uip anunciou ainda que o Horto Florestal e o Parque Estadual da Cantareira, na zona norte, fechados desde o dia 20 de outubro, quando foi confirmada a infecção pelo vírus em um macaco encontrado morto no Horto, devem ser reabertos em janeiro.

Ele afirmou que, após a reabertura, os frequentadores serão orientados a só ir ao local se estiverem vacinados ou se fizerem uso de repelente. Atualmente, 13 parques municipais estão fechados. Segundo a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SMVA), não há previsão de reabertura desses outros locais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.