Women Lift health
Women Lift health

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

'Cenário mais plausível pode envolver ondas epidêmicas recorrentes', diz cientista-chefe da OMS

Soumya Swaminathan fala sobre aspectos relacionados aos cenários atual e futuro da pandemia do novo coronavírus

Entrevista com

Soumya Swaminathan, cientista-chefe e diretora executiva da OMS

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2020 | 15h00

Soumya Swaminathan é cientista-chefe e diretora executiva da Organização Mundial da Saúde (OMS). Pediatra indiana, é pesquisadora e tem reconhecimento mundial em estudos sobre tuberculose e HIV. Em debate promovido pelo Financial Times, ela afirmou que pode demorar até cinco anos para que o vírus seja controlado.

Ao Estadão, em entrevista por e-mail, Soumya falou sobre aspectos relacionados aos cenários atual e futuro da pandemia do novo coronavírus. Entre outros pontos, a cientista defendeu o acesso universal à saúde, a garantia dos direitos humanos e o desenvolvimento sustentável como essenciais para os países estarem preparados para pandemias. Além disso, comentou sobre a perspectiva de pandemias se tornaram mais comuns nas próximas décadas.

O comportamento da população e o planejamento de empresas e autoridades públicas devem considerar alternativas para reduzir a possibilidade de contágio pelo coronavírus, mesmo após a pandemia estar sob controle?

Conforme descrito nas orientações da OMS aos países ao ajustar as medidas de saúde pública e sociais no contexto de covid-19, o envolvimento da comunidade é uma das medidas que precisa ser implementada para minimizar o risco de ressurgimento nos casos. As populações precisam estar totalmente engajadas e entender que a transição das restrições de movimento em larga escala e das medidas de saúde pública, da detecção e tratamento de casos graves à detecção e isolamento de todos os casos, é um 'novo normal' no qual medidas de prevenção devem ser mantidas, e que todas as pessoas têm papéis-chave na prevenção de um ressurgimento nos números de casos.

A perspectiva científica é de que as pandemias se tornarão mais comuns nas próximas décadas, pelas mudanças climáticas ou outros motivos?

A convergência da carga climática e desmatamento, densidade populacional, movimento populacional está impulsionando uma nova onda de eventos de emergência. A urbanização do mundo, o aumento da população global e as mudanças ecológicas, como as mudanças climáticas, contribuem para a transmissão de doenças. As mudanças climáticas e a urbanização provavelmente aumentarão a frequência e a intensidade dos surtos. Além disso, animais e humanos estão vivendo mais próximos um do outro. Vários vírus conhecidos, incluindo coronavírus, estão circulando em animais que ainda não infectaram humanos. À medida que a vigilância melhora em todo o mundo, é provável que mais vírus sejam identificados.

Pelo que se sabe até agora, o Brasil será o novo epicentro da doença no mundo?

Como disse o diretor do Programa de Emergências da OMS, Mike Ryan, vimos um aumento no número de casos no Brasil e, em geral, vimos um aumento em vários países da América Central e do Sul. Independentemente da eficácia do sistema de saúde, o que é realmente crucial é que haja uma coerência, coesão e uma abordagem entre partidos, todo o governo e toda a sociedade, especialmente em grandes estados federados onde as comunidades precisam ouvir uma mensagem e liderança consistentes em todos os níveis.

Por ser um país de grandes proporções e com fronteiras com várias outras nações, a situação brasileira se torna mais preocupante em todo o mundo?

Como alertou a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde, Carissa F. Etienne, a pandemia de covid-19 poderia ter um impacto negativo sobre os pobres e os povos indígenas das Américas. Na bacia amazônica, entre aldeias isoladas de grupos indígenas e cidades densamente povoadas como Manaus, Iquitos (Peru) e Letícia (Colômbia), a incidência de covid-19 é duas vezes maior do que em outras províncias dos mesmos países. As comunidades vulneráveis nas grandes cidades também são duramente atingidas pela pandemia, onde as más condições sociais e econômicas fornecem um terreno fértil para a covid-19, juntamente com o impacto econômico das pessoas que perdem seus empregos. É apenas assegurando direitos humanos para todos, quando todos os povos tiverem acesso universal à saúde e determinantes socioeconômicos, quando garantirmos proteção social para os vulneráveis e quando nosso desenvolvimento econômico tratar da erradicação da pobreza e da realização de objetivos de desenvolvimento sustentável, somente então o mundo estará preparado para enfrentar futuras pandemias.

Alguns países começaram a flexibilizar restrições após melhora no cenário epidêmico, enquanto outros ainda não atingiram o pico. Em uma situação dessas, é maior a chance de haver novas ondas da covid-19?

Todos os países têm diferentes curvas epidemiológicas e estão passando por diferentes cenários. Cada um de nós tem um papel a desempenhar para manter o vírus sob controle. Agora estamos na bifurcação da estrada. Para os países que estão diminuindo algumas das restrições, este é o ponto em que nossas ações e comportamento individual determinam o caminho a seguir, aquele que nos leva a um novo normal ou o que nos envia de volta às restrições em nosso movimento e interações sociais. Como Mike Ryan disse, os países que estão assumindo o controle de seus próprios riscos enquanto saem dos bloqueios se sairão melhor e poderão evitar grandes segundas ondas se puderem interromper a transmissão, através de um forte sistema de saúde pública capaz de detectar casos precocemente e uma população em alerta. Embora não se saiba como a pandemia continuará evoluindo, com base nas evidências atuais, o cenário mais plausível pode envolver ondas epidêmicas recorrentes, intercaladas com períodos de transmissão de baixo nível.

Uma vacina continua sendo a principal aposta para poder conter a doença? Qual seria um cenário realista para se tornar acessível à população em geral?

Já vimos a incrível força que resulta da cooperação global no desenvolvimento de vacinas e tratamentos. Todas essas iniciativas são um forte sinal da solidariedade que defendemos e de que todos precisamos, e eles são o nosso farol de esperança para o futuro, a maneira como cuidamos de nossos cidadãos e a maneira como trabalhamos juntos para resolver nossos problemas, através da colaboração e confiança. A resolução histórica, copatrocinada por mais de 130 países, adotada por consenso na 73ª AMS (Assembleia Mundial de Saúde), mostra o compromisso dos Estados Membros da OMS de levantar todas as barreiras ao acesso universal a vacinas, diagnósticos e terapêuticas, pois exige uma justa distribuição de todas as tecnologias essenciais de saúde de qualidade necessárias para combater a pandemia de covid-19. A OMS havia criado vários grupos de trabalho em janeiro para acelerar vários aspectos do desenvolvimento da vacina. Uma chamada foi feita por 130 cientistas, financiadores e fabricantes para ajudar a acelerar a disponibilidade de uma vacina contra covid-19 e apoiar a OMS. Juntamente com atores e parceiros globais da saúde, a OMS lançou o Access To COVID-19 Tools (ACT) Accelerator, uma colaboração global para acelerar o desenvolvimento, a produção e o acesso equitativo aos novos diagnósticos, terapêuticas e vacinas da covid-19. Mais de 120 vacinas estão em desenvolvimento globalmente, incluindo oito em avaliação clínica, e várias terapias estão em ensaios clínicos. A OMS está empenhada em garantir que, à medida que os medicamentos e as vacinas sejam desenvolvidos, sejam compartilhados de forma equitativa com todos os países e pessoas.

O “passaporte da imunidade” ainda é uma alternativa apressada para os países reabrirem?

Esperamos que a maioria das pessoas infectadas com covid-19 desenvolva uma resposta de anticorpos que forneça algum nível de proteção. O que ainda não sabemos é o nível de proteção ou quanto tempo vai durar. Estamos trabalhando com cientistas de todo o mundo para entender melhor a resposta do corpo à infecção por covid-19. Até o momento, nenhum estudo respondeu a essas perguntas importantes. Como não há evidências suficientes sobre a eficácia da imunidade mediada por anticorpos, não seria possível saber a precisão de um "passaporte de imunidade" ou "certificado sem risco". No entanto, há uma distinção a ser feita nos certificados de que os centros de saúde podem fornecer um paciente quando eles se recuperam da doença e recebem alta.

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE O CORONAVÍRUS

Por que o surto de coronavírus começou na China?

Não tenho carteira de trabalho e quero receber o auxílio emergencial. O que eu faço?

Qual é o efeito do coronavírus no corpo?

Coronavírus: quais os riscos para gestantes, lactantes e recém-nascidos?

Como diferenciar coronavírus e alergias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.