Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Procura deixa postos da capital sem vacina e Doria pede ‘calma’

Pessoas relatam que fila aumentou depois que OMS pôs Estado em mapa de risco; prefeito vê ‘pânico’ da população

Juliana Diógenes e Paula Felix, O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2018 | 11h13
Atualizado 17 Janeiro 2018 | 23h14

SÃO PAULO - Um dia após a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificar todo o Estado de São Paulo como área de risco para febre amarela, aumentou ainda mais a procura em Unidades Básicas de Saúde (UBSs). O fluxo causou longas filas e desabastecimento. A Secretaria Municipal da Saúde alegou um problema “pontual e momentâneo”. O prefeito João Doria (PSDB) pediu “calma” à população.

+++ Veja onde se vacinar contra febre amarela na cidade de São Paulo

Na UBS Maria Cecília Ferro Donnangelo, na Vila Penteado, zona norte, por exemplo, funcionários informavam que a vacina tinha acabado pouco antes do meio-dia. O funcionário público Wilson Alves Vianna, de 54 anos, trabalha na Baixada Santista, mas mora na região e estava aproveitando a folga para tentar a imunização. “Pensei que ia ser mais fácil tomar a vacina, mas este é o segundo posto que vou e não tem.”

+++ Governo confirma 35 casos de febre amarela desde julho, com 20 mortes

Uma longa fila composta por moradores das zonas norte e leste se formou na calçada da UBS Mariquinha Sciáscia, no Tremembé. A advogada Andreza Missi, de 32 anos, saiu de São Miguel Paulista, na zona leste, com o marido e as filhas de 9 meses e 13 anos para a imunização. “Minha cunhada tomou aqui e disse que tinha a dose e que a fila não estava quilométrica, como na zona leste.” 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Eu rodei sete postos hoje e não encontrava senha nem vacina. Não tomei a vacina antes, porque não achava que a situação ficaria assim. Está muito difícil.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jaqueline Medeiros de Siqueira, demonstradora, que teve dificuldade em achar um posto com imunizante na zona norte

 

A esteticista Elisete Storer, de 51 anos, encontrou dificuldades também para vacinar a irmã de sua nora e a neta de 4 anos na Vila Carrão, zona leste, e também na zona norte, pois se deparou com postos desabastecidos. “Eu tomei na segunda aqui. Como a vacina foi dada antes aqui, os postos estavam mais vazios. Não imaginei que seria assim cheio.”

Doria

Em entrevista à Rádio Capital, o prefeito ressaltou que “não há nenhuma razão para pânico”. “As vacinas estão ocorrendo. As filas são muito grandes desnecessariamente porque as pessoas, no pânico, vão se vacinando sem necessidade”, afirmou. / COLABOROU TIAGO QUEIROZ

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.