Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Grávidas devem ser vacinadas contra a covid-19?

Grupos específicos, como gestantes e crianças, não foram avaliados na fase de testes das vacinas aplicadas em caráter emergencial; especialistas recomendam avaliação caso a caso

Érika Motoda , O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2021 | 10h00

O Brasil tem desde domingo, 17, duas vacinas aprovadas para o uso emergencial contra o coronavírus. Mas nem o Instituto Butantã e o laboratório chinês Sinovac nem a Universidade de Oxford e a farmacêutica britânica AstraZeneca têm uma base de dados robusta no que diz respeito à eficácia e aos riscos do imunizante em grávidas. Os estudos devem começar em breve, e é por isso que especialistas têm cautela na hora de responder se gestantes devem ou não tomar a vacina. Para essa pergunta, a resposta dos especialistas agora é: vai depender do caso.

Caso a gestante pertença a algum grupo de risco - seja ela obesa, hipertensa ou diabética -, deve ser informada de que se trata de uma vacina nova, ainda não testada para o caso dela. Mas, mesmo assim, ser infectada pela covid-19 representa um risco maior que o de ser vacinada.  

“A decisão deve ser compartilhada com o médico que a acompanha, o pré-natalista e o obstetra”, disse Cecilia Roteli Martins, presidente da Comissão Nacional Especializada em Vacinas da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). “A gente ainda não tem a capacidade de avaliar os riscos para as lactantes e as gestantes, especialmente. A gente não sabe as consequências em termos de aborto, parto prematuro, ruptura prematura da bolsa. Por isso que tem de ser avaliado pelo obstetra.”

A cautela dos especialistas está longe de ser uma desconfiança em relação às vacinas aprovadas no País. O cuidado se deve ao fato de se tratar de um imunizante sobre uma doença ainda relativamente desconhecida da ciência. A posição adotada pela Febrasgo está em linha com o que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC, na sigla em inglês) adotou nos Estados Unidos.  “A plausibilidade de uma vacina dessa causar algum malefício é mínima. A chance da covid é real. É esse balanço que precisa ser discutido com a gestante”, disse Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

A Coronavac é feita com uma plataforma já conhecida da ciência brasileira: o vírus inativado, morto. Já a vacina de Oxford é composta por uma partícula viral que não se multiplica e é inserida no adenovírus de chimpanzés. Essas duas plataformas são seguras, na opinião do infectologista pediátrico Marcelo Otsuka, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). 

“Não é uma questão de ser contraindicada, mas sim de não haver indicação. A vacina não foi estudada em crianças ou gestantes, mas isso pode mudar a partir do momento em que forem estudadas nesses grupos. Não há investigações em grupos de risco específicos como pacientes oncológicos, mas, a princípio, não há risco para essas pessoas”, disse Otsuka. “O que é provável de acontecer é que, quando você estudar pacientes imunodeprimidos (com baixa imunidade), talvez a vacina seja menos eficaz. Mas, contraindicação por causa das características da vacina, não há até este momento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.