Dado Ruvic/REUTERS
Dado Ruvic/REUTERS

Resultados promissores de testes elevam chances de uso simultâneo de vacinas

A diversidade de imunizantes pode ser decisiva para esquemas de proteção mais eficientes. Nesta segunda, outra empresa divulgou resultados promissores sobre eficácia das doses

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 05h00

A diversidade de vacinas contra a covid-19, a depender das características de cada uma, pode ser decisiva para esquemas de vacinação mais eficientes. Por exemplo, se uma delas tiver resultados melhores entre os idosos e outra entre os mais jovens. Ou se um imunizante for mais facilmente armazenado e transportado do que outro. Ou se for capaz de prevenir formas mais ou menos graves da doença.

Nesta segunda-feira, a empresa de biotecnologia Moderna anunciou que os resultados preliminares da análise da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela empresa apontam eficácia de 94,5% na prevenção da doença, incluindo casos graves. A notícia é divulgada uma semana após a farmacêutica Pfizer e sua parceira alemã BioNTech informarem uma eficácia inicial de 90% em sua vacina. Os resultados das duas vacinas são preliminares, obtidos a partir da primeira análise interina de eficácia. 

Quando laboratórios em diversas partes do mundo se lançaram na corrida em busca de uma vacina contra a covid, há menos de um ano, muitos cientistas alertaram para o fato de que desenvolver um imunizante era um trabalho de longo prazo. Além disso, disseram, a chance de um produto que chega a fase 3 de testes ser, de fato, eficiente e seguro a ponto de ser aprovado para uso é de apenas 10%. Os resultados, no entanto, vêm surpreendendo até mesmo os mais céticos.

“Todas essas plataformas são seguras, nenhuma delas usa o vírus atenuado, que poderia mimetizar uma infecção com grande potência”, explica Alexandre Naime Barbosa, chefe do Departamento de Infectologia da Unesp. “Além disso, a tecnologia realmente evoluiu muito, não dá para comparar com uma vacina desenvolvida cinquenta anos atrás. Um terceiro aspecto é que o Sars-Cov-2 é muito mais simples e menos sujeito a mutações do que o HIV ou o vírus da hepatite C, por exemplo.”

O virologista Flávio Guimarães, do Centro de Tecnologia de Vacinas da UFMG, lembra também de outro aspecto fundamental: o financiamento das pesquisas. “Em vista da emergência sanitária, houve um influxo de dinheiro por parte das empresas e dos governos como jamais houve na história”, disse. “A ciência é pragmática: quando você paga, você recebe. Pode ser muito caro, mas recebe.”

No caso brasileiro, há diferentes acordos em andamento para acessar futuras vacinas contra o novo coronavírus. “O Brasil tem dois acordos bilaterais que incluem compromisso de compra e transferência de tecnologia, para a Coronovac, com o Instituto Butantã, e para a vacina de Oxford, com a Fiocruz e Biomanguinhos”, lembrou o diretor da Sociedade Brasileira de Imunização (Sbim), Renato Kfouri. “Além disso, o País integra a Covax Facility (a iniciativa da OMS para a distribuição de imunizantes licenciados). E, claro, podemos ainda negociar a compra de outras vacinas se houver disponibilidade.”

Os cientistas ressalvam, no entanto, que os resultados de eficiência da Pfizer, do Gamaleya e da Moderna não foram ainda publicados em revistas com revisão dos pares. Foram anúncios feitos pelas empresas que, inclusive, acabaram por valorizar suas ações nas bolsas de valores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.