Boletim do coronavírus: 252 suspeitos no Brasil, primeira morte na Austrália e Louvre fechado

Boletim do coronavírus: 252 suspeitos no Brasil, primeira morte na Austrália e Louvre fechado

'Estado' reúne principais notícias do dia sobre o avanço da doença pelo mundo. Neste domingo, número de suspeitos no Brasil chega a 252

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2020 | 17h55

SÃO PAULO - O Estado está reunindo diariamente as principais notícias sobre o coronavírus. Neste domingo, 1º, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou um aumento de cinco países infectados com a doença, e um total de 87.137 casos confirmados no mundo - destes, 79.968 são da China. No Brasil, o Ministério da Saúde aumentou para 252 o número de suspeitos, divididos por 15 estados e o Distrito Federal. Na Europa, o Louvre passou a manhã fechado pela epidemia na França e o papa Francisco desmarcou seu compromisso mais importante do ano devido à situação da Itália, que já registra 34 mortes pela doença, o país mais afetado do continente.

Veja a seguir as principais notícias e acompanhe as últimas informações sobre o coronavírus em tempo real:

O Brasil já tem 252 casos suspeitos do novo coronavírus, sendo 136 deles no Estado de São Paulo. A informação foi atualizada pelo Ministério da Saúde na Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde (IVIS). No sábado, o número de casos suspeitos era de 207. Por enquanto, o País segue com apenas dois pacientes confirmados com a doença, e nenhuma letalidade.

Com 252 pacientes sob investigação em 15 Estados, mais o Distrito Federal, as secretarias estaduais de Saúde se preparam para enfrentar um eventual agravamento do coronavírus no Brasil, planejando atendimento domiciliar e até suspensão de tratamentos e cirurgias agendadas para a liberação eventual de leitos na rede hospitalar. “Isso só ocorrerá se houver uma sobrecarga de casos graves, coisa que, neste momento, não há como estimar”, afirma o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Alberto Beltrame, secretário de Saúde do Pará.

Um grupo de pesquisadores da Itália identificou a mutação genética em uma proteína, que permitiu ao coronavírus infectar seres humanos e não mais apenas animais. O estudo foi conduzido pela equipe de estatísticas médicas e epidemiologia molecular da Universidade Biomédica de Roma e foi publicado no Journal of Clinical Virology. 

Em entrevista ao Estado, Luiz Carlos Mendonça de Barros, ex-presidente do BNDES, afirmou que o governo chinês deverá entrar com medidas pesadas para estimular a economia do país frente ao coronavírus, e que elas ajudarão também a economia brasileira. “Vai ter uma desaceleração no Brasil, mas, no terceiro e no quarto trimestres, o PIB vai receber um impacto (positivo decorrente dos estímulos chineses).” 

Nos últimos dias, o papa Francisco foi visto com sintomas de resfriado, cancelou compromissos por quatro dias seguidos e depois apareceu em público nesta manhã, quando foi novamente visto tossindo. Mais tarde, o pontífice desmarcou seu principal compromisso do ano, uma reunião com 2 mil jovens do mundo todo, por conta do coronavírus. 

O Museu do Louvre, o mais visitado do mundo, permaneceu fechado nesta manhã em função dos casos de coronavírus na França. No sábado, 29, o País registrou seu 100º paciente infectado com a doença e duas pessoas morreram. "Pedimos desculpas pelo inconveniente e informamos assim que tivermos novidades sobre a situação", disse a direção do museu, em comunicado.

 

A Austrália confirmou a primeira morte por coronavírus no país. A vítima era um idoso de 78 anos, ex-passageiro do cruzeiro “Diamond Princess”, que ficou em quarentena no Japão. Segundo autoridades australiana, a mulher da vítima, uma senhora de 79 anos, também estava no navio e é portadora do coronavírus. Ela continua isolada no hospital, mas seu estado de saúde é bom.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.